EUA terão de revisar 2,5 mil casos de menores condenados à prisão perpétua

Anistia Internacional diz que s os EUA e a Somlia mantm jovens acima de 11 anos atrs das grades para o resto da vida

www.brasil247.com - EUA terão de revisar 2,5 mil casos de menores condenados à prisão perpétua
EUA terão de revisar 2,5 mil casos de menores condenados à prisão perpétua (Foto: Shutterstock)


Por Claudio Julio Tognolli _247 – Autoridades nos Estados Unidos devem proibir a imposição de sentenças de prisão perpétua, sem vislumbre de liberdade condicional, contra crianças: e devem ser revistos, imediatamente, os casos de mais de 2.500 prisioneiros infantis naquele país. Esse é o pedido que a maior entidade de direitos humanos do planeta, a Anistia Internacional, faz em seu relatório, divulgado na manhã desta quarta-feira em Londres, e que o Brasil247 publica com exclusividade.

"Nos EUA, as pessoas menores de 18 anos não podem votar, comprar álcool, bilhetes de loteria ou obterem consentimento para a maioria das formas de tratamento médico, mas eles podem ser condenados a morrer na prisão por suas ações. Isso precisa mudar", disse Natacha Mension, representante nos EUA da Anistia Internacional.

Crianças que tenham 11 anos de idade, quando cometem crimes nos EUA, juridicamente já podem ser condenadas à prisão perpétua. Os EUA são o único país a impor esta prática sobre as crianças com 11 anos. O relatório da Anistia Internacional, intitulado "Aqui é onde eu vou estar quando eu morrer", ilustra a questão através das histórias de três pessoas – Jacqueline Montanez, David Young e Cheramie Christi.

Nos EUA, a vida sem liberdade condicional pode ser imposta a menores infratores como um castigo obrigatório – sem consideração das circunstâncias atenuantes, como a história de abuso ou de trauma, o grau de envolvimento no crime, ou estado de saúde mental ou receptividade à reabilitação. “Não estamos desconsiderando os crimes cometidos por crianças, ou minimizando as suas consequências, mas a realidade simples é que essas sentenças ignoram o potencial para a reabilitação e mudança”, disse Natacha Mension.

Em maio de 2010, a Suprema Corte dos EUA estabeleceu que a vida sem liberdade condicional é “um castigo especialmente duro para uma criança”. Um jovem infrator, nesses moldes, servirá, em média, mais anos, e uma porcentagem maior de sua vida na prisão, do que um antigo delinquente.

Dezoito meses após proibir a aplicação, para menores de 18 anos, de sentenças que não envolvam crimes de homicídio, em 8 de novembro de 2011, a Suprema Corte concordou em analisar a questão em relação aos crimes envolvendo assassinato. Mas não vai emitir uma decisão até o segundo trimestre de 2012, no mínimo.

A Convenção da ONU sobre os Direitos da Criança, que entrou em vigor mais de duas décadas atrás, proíbe expressamente a imposição de prisão perpétua sem possibilidade de libertação por delitos – por mais graves que sejam – cometidos por pessoas menores de 18 anos de idade. Todos os países, exceto EUA e Somália, ratificaram a Convenção.

Cheramie Christi, que está cumprindo prisão perpétua sem condicional no estado de Louisiana, vai apresentar hoje pedido de clemência executiva, junto ao Conselho de Estado Judicial daquele estado dos EUA. Christi foi condenada à prisão perpétua, sem possibilidade de libertação, em 1994, quando ela tinha 16 anos. Ela está agora com 33 anos.

Ela foi condenada, por assassinato em segundo grau, pela morte da tia-avó de seu noivo, de 18 anos de idade. Ela se declarou culpada, pouco antes do seu julgamento no tribunal, pois temia que pudesse ser condenada à morte, se o julgamento fosse em frente. Sua confissão de culpa a impede de apelar diretamente de condenação ou sentença.

Um psiquiatra que viu Christi antes de seu julgamento disse que ela era uma “deprimida, dependente e insegura”. A infância Christi foi marcada pelo abuso sexual. Na idade de 13 anos, ela foi internada em uma clínica psiquiátrica depois de tentar se suicidar em pelo menos duas ocasiões. Em 2001, Christi tentou retirar sua confissão de culpa, dizendo que ela não tinha entendido o processo. Seu pedido foi negado.

Depois de metade das despesas de sua vida na prisão, Christi acredita que ela mudou de muitas maneiras. Ela obteve um diploma equivalente ao ensino médio, bem como uma licenciatura em estudos agrícolas. Ela é atualmente responsável por uma série de aulas sobre este assunto na prisão onde está encarcerada. Um diretor afirmou que ela é “digna de uma segunda chance”.

Assista abaixo a um vídeo com depoimentos sobre o caso de Cheramie Christi:

 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email