Evo diz que renunciou para salvar a vida e o processo de mudanças na Bolívia

O ex-presidente boliviano Evo Morales revelou que renunciou para salvar a própria vida e as transformações sociais em seu país. “A ordem era me matar ou me levar para os Estados Unidos”, disse

Evo Morales chega a cidade de Chimore, em Cochabamba, um ano depois de ter se exilado fora da Bolívia nesta quarta-feira (11) .
Evo Morales chega a cidade de Chimore, em Cochabamba, um ano depois de ter se exilado fora da Bolívia nesta quarta-feira (11) . (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidente Evo Morales, que na semana passada voltou de maneira triunfal do seu exílio após ter sido derrubado por um golpe de Estado, disse nesta segunda-feira que renunciou ao cargo para salvar a própria vida e o processo de mudanças no país.

Evo afirmou que ficou impressionado com a recepção do povo no seu regresso à pátria na semana passada. E destacou que o MAS continuará cuidando do aspecto ideológico e dos programas sociais.

Sobre sua renúncia, declarou à Telesul: “Um camarada me disse que eu deveria renunciar porque salvar a vida de Evo era salvar o processo de mudança”.  "Mas a razão da minha renúncia foi fundamentalmente para impedir que casas, ministros, governadores do MAS, prefeitos, familiares" fossem incendiados, disse ele, e contou detalhes do golpe, que começou com contradições entre o governo e o comando militar.

“Quando convocamos o comando militar, o general Calima me esclarece que não tem balas suficientes ... As balas não são para o povo, respondi. Foram as primeiras diferenças que tive com as Forças Armadas. Eu indiquei as ações persuasivas. No domingo, 10 de novembro de 2019, eles só noticiaram na televisão que aviões chineses estavam sobrevoando Chayapata ", explicou.

Após esses incidentes, o líder indígena reconheceu que o Comandante em Chefe do Exército solicitou sua renúncia. “A Polícia se revolta, as Forças Armadas pedem minha renúncia, também a Confederação dos Trabalhadores da Bolívia”, lembra o ex-chefe de Estado.  

O ex-presidente também detalhou momentos antes de sua saída do aeroporto da cidade de La Paz. Lá, eles o informaram que a polícia queria tomar o aeroporto para impedi-lo de viajar para o México. O ex-presidente disse que seus oito seguranças receberam duas vezes a proposta de US $ 50.000 em troca de o entregarem aos Estados Unidos. “Um oficial das Forças Armadas ouviu as ordens: 'Evo tem que ir para os Estados Unidos.' A ordem era me matar ou me levar para os Estados Unidos”, disse.

Leia a íntegra da entrevista na Telesul.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247