Ex-presidente da Nissan diz que se sente traído por Carlos Ghosn

O ex-presidente da Nissan Motor Hiroto Saikawa por Carlos Ghosn, ex-presidente do Conselho de Administração da montadora, de conluio para afastá-lo por causa da fusão entre a montadora japonesa e a fabricante de automóveis francesa Renault

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por NHK

O ex-presidente da Nissan Motor Hiroto Saikawa afirmou que se sente traído por Carlos Ghosn, após assistir à entrevista coletiva concedida nessa quarta-feira (8) em Beirute pelo ex-presidente do Conselho de Administração da montadora.

Ghosn acusou Saikawa e outros altos executivos da Nissan de conluio para afastá-lo por causa da fusão entre a montadora japonesa e a fabricante de automóveis francesa Renault.

Hiroto Saikawa conversou com repórteres na manhã de hoje (9). Ele rejeitou terminantemente as alegações feitas por Carlos Ghosn. Saikawa disse que a questão não está conectada de nenhuma maneira com os atos ilegais dos quais Ghosn é acusado.

Na entrevista de ontem, a primeira desde que fugiu do Japão para o Líbano, o ex-presidente do grupo Renault-Nissan acusou a empresa de “conluio” com a Procuradoria japonesa. Ele disse que é vítima de “perseguição política”.

Ministra da Justiça

A ministra da Justiça do Japão, Masako Mori, reprovou as críticas feitas por Carlos Ghosn contra o sistema judiciário do país.

Ela conversou com repórteres após a entrevista em Beirute. Para Masako, o executivo deveria provar no tribunal sua inocência diante de crimes econômicos supostamente cometidos por ele.

A ministra afirmou que Carlos Ghosn apresentou uma visão equivocada sobre o sistema judiciário do país e seus métodos, visando a justificar a fuga, e que isso jamais poderá ser ignorado.

Ela lembrou que o Japão dispõe de um sistema para que detidos façam reclamações sobre as condições que enfrentam.

Mori disse ainda que, em casos criminais, acusados têm direito a um julgamento aberto em tribunais justos no Japão.

A ministra afirmou que sua pasta vai continuar fornecendo informações e respondendo a perguntas para que o sistema judiciário japonês possa ser corretamente compreendido pelo resto do mundo.

Masako Mori disse esperar que Carlos Ghosn receba um julgamento justo em um tribunal japonês.

*Emissora pública de televisão do Japão

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247