Ex-presidente de estatal mexicana nega intermediação de propina da Odebrecht

Emilio Lozoya, ex-presidente da petroleira estatal mexicana Pemex, negou ter canalizado subornos da empreiteira brasileira Odebrecht para a campanha do presidente Enrique Peña Nieto e disse que as contas bancárias nas quais supostamente foram depositados milhões de dólares não eram suas; "Nego categoricamente minha participação nestes fatos, e por isso não tenho comentários sobre algum possível financiamento ilegal da campanha em 2012", afirmou; segundo denúncias veiculadas pela mídia, Lozoya, teria recebido US$ 10 milhões em subornos em 2012 de um ex-executivo da Odebrecht SA, em troca de um contrato de US$ 115 milhões na refinaria de Tula

Emilio Lozoya, ex-presidente da petroleira estatal mexicana Pemex, negou ter canalizado subornos da empreiteira brasileira Odebrecht para a campanha do presidente Enrique Peña Nieto e disse que as contas bancárias nas quais supostamente foram depositados milhões de dólares não eram suas; "Nego categoricamente minha participação nestes fatos, e por isso não tenho comentários sobre algum possível financiamento ilegal da campanha em 2012", afirmou; segundo denúncias veiculadas pela mídia, Lozoya, teria recebido US$ 10 milhões em subornos em 2012 de um ex-executivo da Odebrecht SA, em troca de um contrato de US$ 115 milhões na refinaria de Tula
Emilio Lozoya, ex-presidente da petroleira estatal mexicana Pemex, negou ter canalizado subornos da empreiteira brasileira Odebrecht para a campanha do presidente Enrique Peña Nieto e disse que as contas bancárias nas quais supostamente foram depositados milhões de dólares não eram suas; "Nego categoricamente minha participação nestes fatos, e por isso não tenho comentários sobre algum possível financiamento ilegal da campanha em 2012", afirmou; segundo denúncias veiculadas pela mídia, Lozoya, teria recebido US$ 10 milhões em subornos em 2012 de um ex-executivo da Odebrecht SA, em troca de um contrato de US$ 115 milhões na refinaria de Tula (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Emilio Lozoya, ex-presidente da petroleira estatal mexicana Pemex, negou ter canalizado subornos da empreiteira brasileira
Odebrecht para a campanha do presidente Enrique Peña Nieto e disse que as contas bancárias nas quais supostamente foram depositados milhões de dólares não eram suas.

Em uma conferência de imprensa de cerca de uma hora depois de comparecer ao escritório do procurador-geral na Cidade do México, Lozoya, aliado de Peña Nieto, rejeitou as alegações publicas pelo jornal brasileiro O Globo de que teria recebido 10 milhões de dólares em subornos em 2012 de um ex-executivo da Odebrecht SA, em troca de um contrato de 115 milhões de dólares na refinaria de Tula.

Lozoya, que deixou o cargo na Pemex em 2016, refutou as acusações de que qualquer montante do dinheiro que supostamente recebeu foi parar na campanha de Peña Nieto e negou ter as contas bancárias nas quais os subornos foram supostamente pagos. "Nego categoricamente minha participação nestes fatos, e por isso não tenho comentários sobre algum possível financiamento ilegal da campanha em 2012",
disse na coletiva de imprensa.

"De tal forma que deduzo que esta acusação é falsa", acrescentou Lozoya, que já havia negado através de sua conta de Twitter as acusações que lhe foram feitas. Eduardo Sánchez, porta-voz da Presidência, também refutou na terça-feira que supostos subornos da Odebrecht a funcionários mexicanos tenham sido destinados à campanha presidencial de 2012.

A Procuradoria-Geral da República, que foi criticada por sua aparente hesitação em investigar mexicanos de alto perfil envolvidos no escândalo, disse na quinta-feira que espera receber mais informações sobre o caso nos próximos dias. Vários escândalos de corrupção vêm assolando o governo de Peña Nieto, que enfrenta um baixo índice de popularidade a menos de um ano das próximas eleições presidenciais, para as quais pesquisas mostram como favorito o líder de esquerda Andrés Manuel López Obrador.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email