Ex-presidente egípcio pega prisão perpétua

O Tribunal de Cassação do Egito confirmou neste sábado, 16, de forma definitiva, a pena de prisão perpétua para o ex-presidente do país Mohamed Mursi; ele e outros membros do seu partido, a Irmandade Muçulmana, foram acusados de transmitir informações sigilosas militares para o Catar, a fim de enfraquecer o Estado egípcio

O Tribunal de Cassação do Egito confirmou neste sábado, 16, de forma definitiva, a pena de prisão perpétua para o ex-presidente do país Mohamed Mursi; ele e outros membros do seu partido, a Irmandade Muçulmana, foram acusados de transmitir informações sigilosas militares para o Catar, a fim de enfraquecer o Estado egípcio
O Tribunal de Cassação do Egito confirmou neste sábado, 16, de forma definitiva, a pena de prisão perpétua para o ex-presidente do país Mohamed Mursi; ele e outros membros do seu partido, a Irmandade Muçulmana, foram acusados de transmitir informações sigilosas militares para o Catar, a fim de enfraquecer o Estado egípcio (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência EFE

O Tribunal de Cassação do Egito confirmou neste sábado, 16, de forma definitiva, a pena de prisão perpétua para o ex-presidente do país Mohamed Mursi. As informações são da agência de notícias EFE.

Mursi e outros membros do seu partido, a Irmandade Muçulmana, foram acusados de transmitir informações sigilosas militares para o Catar, a fim de enfraquecer o Estado egípcio. Pelas leis egípcias, a pena é de 25 anos.

O tribunal também ratificou a pena de morte para três membros da Irmandade Muçulmana e a de 25 anos de prisão e trabalhos forçados para outros dois por participação no mesmo caso.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247