Ex-presidente Rafael Correa denuncia possível golpe nas eleições do Equador

Lenín Moreno e o atual Secretário Geral da OEA, Luis Almagro, estão tramando com o CNE (TSE do Equador) para suspender as eleições diante da provável vitória de Andrés Arauz, candidato ligado a Rafael Correa

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidente Rafael Correa, do Equador, denunciou nas redes sociais, nesta sexta-feira, 29, que existe a possibilidade de haver um golpe eleitoral no país para impedir a vitória de seu candidato, Andrés Arauz.

“Há um alerta gravíssimo de que a CNE se reúne para suspender as eleições, porque Aráuz vence”, denunciou no Twitter. “Isso coincide com a reunião de Almagro e Moreno em Washington para obter o sinal verde e a ameaça de que, caso não o fizessem, os conselheiros seriam demitidos amanhã”.

O CNE é o órgão responsável pelas eleições no Equador. Após a ascensão de Lenín Moreno ao poder, que deu um golpe dentro do partido de Correa para apoiar políticas neoliberais, o grupo político ligado ao ex-presidente está sendo perseguido.

Correa está sendo atingido por uma perseguição judicial ao estilo do ex-presidente Lula no Brasil. Acusado em vários processos, tendo seu partido cassado e impedido de lançar sua candidatura à presidência, o ex-presidente teve de lançar Arauz para conseguir disputar a eleição.

Porém, conforme denunciou nas redes sociais, o presidente Moreno e o atual Secretário Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, estão tramando com o CNE para suspender as eleições diante da provável vitória de Arauz.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email