Ex-vice premiê da Inglaterra, admite que invasão do Iraque foi ilegal

John Prescott, que foi vice-primeiro-ministro do Reino Unido durante o governo Tony Blair, admitiu que a guerra contra o Iraque, em 2003, foi ilegal; "Em 2004, o secretário-geral da ONU Kofi Annan disse que, posto que o objetivo principal da guerra do Iraque era a mudança de governo, a guerra era ilegal", escreveu escreveu em uma coluna publicada pelo jornal Sunday Mirror; . "Com grande pena e raiva, hoje acredito que ele estava certo", completou; declaração foi feita poucos dias após a divulgação do Relatório Chilcot, que teceu duras críticas ao envolvimento da Inglaterra no conflito

John Prescott, que foi vice-primeiro-ministro do Reino Unido durante o governo Tony Blair, admitiu que a guerra contra o Iraque, em 2003, foi ilegal; "Em 2004, o secretário-geral da ONU Kofi Annan disse que, posto que o objetivo principal da guerra do Iraque era a mudança de governo, a guerra era ilegal", escreveu escreveu em uma coluna publicada pelo jornal Sunday Mirror; . "Com grande pena e raiva, hoje acredito que ele estava certo", completou; declaração foi feita poucos dias após a divulgação do Relatório Chilcot, que teceu duras críticas ao envolvimento da Inglaterra no conflito
John Prescott, que foi vice-primeiro-ministro do Reino Unido durante o governo Tony Blair, admitiu que a guerra contra o Iraque, em 2003, foi ilegal; "Em 2004, o secretário-geral da ONU Kofi Annan disse que, posto que o objetivo principal da guerra do Iraque era a mudança de governo, a guerra era ilegal", escreveu escreveu em uma coluna publicada pelo jornal Sunday Mirror; . "Com grande pena e raiva, hoje acredito que ele estava certo", completou; declaração foi feita poucos dias após a divulgação do Relatório Chilcot, que teceu duras críticas ao envolvimento da Inglaterra no conflito (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - John Prescott,que foi vice-primeiro-ministro do Reino Unido durante o governo Tony Blair, admitiu que a gerra contra o Iraque foi ilegal. Declaração foi feita poucos dias após a divulgação do chamado Relatório Chilcot, que apontou uma série de falhas na condução do processo e criticou duramente o envolvimento britânico no conflito.

Prescott reconheceu o erro em uma coluna publicada pelo jornal "Sunday Mirror". "Viverei com a decisão de ir à guerra e com suas catastróficas consequências pelo resto da minha vida", disse Prescott, que agora ocupa uma cadeira no parlamento britânico. Na época da invasão do Iraque, em 2003, ele era vice-primeiro-ministro

"Em 2004, o secretário-geral da ONU Kofi Annan disse que, posto que o objetivo principal da guerra do Iraque era a mudança de governo, a guerra era ilegal", escreveu. "Com grande pena e raiva, hoje acredito que ele estava certo", completou em seguida.

Após a divulgação do Relatório Chilcot, Balir pediu desculpas à população pelos erros cometidos na condução do conflito que resultou na morte de 179 militares britânicos. Nos seis anos que seguiram à invasão encabeçada pelos Estados Unidos, cerca de 150 mil iraquianos morreram vítimas dos combates registrados no país.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247