Explosão em mercado na Ucrânia foi causada por míssil ucraniano, e não russo, sugere New York Times

A tragédia de Konstantinovka, na região de Donetsk, aconteceu em 6 de setembro, quando um míssil atingiu um mercado matando 16 pessoas e deixando várias dezenas de civis feridos

A explosão no mercado de Kostiantynivka fez pelo menos 16 mortos e três dezenas de feridos
A explosão no mercado de Kostiantynivka fez pelo menos 16 mortos e três dezenas de feridos (Foto: REUTERS/State Emergency Service of Ukrai)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 na comunidade 247 no WhatsApp e siga o canal do Brasil 247 no WhatsApp.

Sputnik Brasil - O jornal americano The New York Times (NYT) conduziu sua própria investigação sobre a tragédia de Konstantinovka e concluiu que o Exército ucraniano havia atingido o mercado, onde 16 pessoas morreram. "As evidências coletadas e analisadas pelo The New York Times, incluindo fragmentos de mísseis, imagens de satélite, relatos de testemunhas e postagens nas redes sociais, sugerem fortemente que o ataque catastrófico foi o resultado de um míssil de defesa aérea ucraniano errante disparado por um sistema de lançamento Buk", observa-se no artigo.

A tragédia de Konstantinovka, uma cidade na região de Donetsk controlada por Kiev e relativamente longe do front, aconteceu em 6 de setembro, quando um míssil atingiu um mercado matando 16 pessoas e deixando várias dezenas de civis feridos. Nota-se que a publicação publicou os resultados de sua investigação no dia da visita do presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, aos Estados Unidos.

De acordo com o artigo, as autoridades ucranianas tentaram impedir que os jornalistas do veículo de imprensa tivessem acesso aos destroços dos mísseis e ao local imediatamente após o ataque, mas os repórteres conseguiram chegar lá, entrevistar testemunhas e coletar os restos do projétil.

continua após o anúncio

Assim, o jornal escreve que antes do ataque é visível, segundo as imagens de segurança, que pelo menos quatro pedestres viraram a cabeça simultaneamente ao som de um projétil se aproximando – eles olham para o território sob o controle de Kiev. "Momentos antes de atacar, o reflexo do míssil é visível ao passar por dois carros estacionados, mostrando-o viajando do noroeste."

E a mesma direção foi confirmada por um especialista em explosivos, examinando a cratera e os danos. Ao mesmo tempo, os civis informam ao NYT que as tropas ucranianas lançaram dois mísseis antiaéreos em direção à linha de frente da cidade de Druzhkovka. Os jornalistas que estavam lá também ouviram os sons dos lançamentos. Os moradores locais também escreveram sobre isso nas redes sociais. E o tempo de lançamento corresponde à duração do ataque de mísseis no mercado em Konstantinovka.

continua após o anúncio

Além disso, uma testemunha disse ao jornal que os foguetes foram disparados de um local nos arredores da cidade que é usado regularmente pelos militares. Jornalistas do NYT visitaram esse local e viram sinais da recente presença das tropas.

A edição conclui que as dimensões dos buracos e fragmentos encontrados no local do impacto correspondem a forma e tamanho do míssil 9M38, que é lançado por um sistema de defesa antiaéreo Buk.

continua após o anúncio

Enfatizando sua investigação, NYT sublinha que não está claro por que o míssil caiu em Konstantinovka. Pode ter havido uma falha e caiu antes de atingir o alvo. Neste curto alcance – menos de 16 quilômetros – o míssil provavelmente usou apenas uma pequena parte do combustível, cujos restos explodiram ou pegaram fogo no impacto, e isso explicaria o incêndio no mercado.

Por sua vez, ainda em 10 de setembro, o primeiro-vice-representante permanente da Rússia na ONU, Dmitry Polyansky, afirmou que o Ocidente e o regime de Kiev "tentam esquecer" o ataque de mísseis contra Konstantinovka, assim como "esquecem" o ataque contra Kramatorsk, quando se tornou óbvio quem o infligiu.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247