Furacão Irma deixa rastro de destruição em Cuba e é esperado em Miami

O furacão Irma chegou na noite desta desta sexta-feira (8) à costa norte de Cuba depois de deixar um rastro de destruição em sua passagem pelo Caribe; o gigantesco furacão atingiu o arquipélago de Camagüey, a 190 km de Caibarién, às 3h da madrugada; a cidade cubana fica a apenas 485 km de Miami; na Flórida, onde meteorologistas alertam que a tempestade pode elevar em até oito metros os níveis normais do mar, mais de meio milhão de pessoas serão evacuadas provocando um êxodo em massa que é dificultado por engarrafamentos e falta de combustível

O furacão Irma chegou na noite desta desta sexta-feira (8) à costa norte de Cuba depois de deixar um rastro de destruição em sua passagem pelo Caribe; o gigantesco furacão atingiu o arquipélago de Camagüey, a 190 km de Caibarién, às 3h da madrugada; a cidade cubana fica a apenas 485 km de Miami; na Flórida, onde meteorologistas alertam que a tempestade pode elevar em até oito metros os níveis normais do mar, mais de meio milhão de pessoas serão evacuadas provocando um êxodo em massa que é dificultado por engarrafamentos e falta de combustível
O furacão Irma chegou na noite desta desta sexta-feira (8) à costa norte de Cuba depois de deixar um rastro de destruição em sua passagem pelo Caribe; o gigantesco furacão atingiu o arquipélago de Camagüey, a 190 km de Caibarién, às 3h da madrugada; a cidade cubana fica a apenas 485 km de Miami; na Flórida, onde meteorologistas alertam que a tempestade pode elevar em até oito metros os níveis normais do mar, mais de meio milhão de pessoas serão evacuadas provocando um êxodo em massa que é dificultado por engarrafamentos e falta de combustível (Foto: Aquiles Lins)

Da Rádio França Internacional - O furacão Irma chegou na noite desta desta sexta-feira (8) à costa norte de Cuba depois de deixar um rastro de destruição em sua passagem pelo Caribe. A informação foi divulgada pelo Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC).

O gigantesco furacão atingiu o arquipélago de Camagüey, a 190 km de Caibarién, às 3h da madrugada. A cidade cubana fica a apenas 485 km de Miami. Os ventos chegaram a mais de 260 km/h, o que o coloca na categoria 5, a mais violenta da chamada escala de Saffir-Simpson, que mede a força desse tipo de fenômeno. Os primeiros efeitos do Irma já foram sentidos na manhã desta sexta-feira, em Baracoa, a cidade mais antiga de Cuba, onde o mar chegou a invadir o centro da cidade.

A chegada do Irma provocou o deslocamento mais de um milhão de pessoas, principalmente nas províncias de Holguín, Tunas, Camagüey, Sancti Spíritus e Granma, segundo dados da Defesa Civil. Nas zonas turísticas da costa norte, mais de 10.000 turistas estrangeiros e outros milhares de cubanos foram evacuados para locais seguros, de acordo com o Ministério do Turismo.

O momento mais perigoso para Cuba, segundo o general Ramón Pardo Guerra, chefe da Defesa Civil, será na tarde de sábado, quando Irma virar para o norte, em direção à península da Flórida. Esse será o momento em que o furacão estará mais perto da costa cubana e com menor velocidade de deslocamento, de modo que seus efeitos serão mais devastadores.

Veja vídeo da Nasa sobre o furacão: 

 

Evacuação em massa

Na Flórida, onde meteorologistas alertam que a tempestade pode elevar em até oito metros os níveis normais do mar, mais de meio milhão de pessoas serão evacuadas provocando um êxodo em massa que é dificultado por engarrafamentos e falta de combustível.

Nesta sexta-feira, Miami Beach estava deserta e as vitrines das lojas, vedadas com tapumes. Carros de polícia circulavam pelas vias costeiras de West Palm Beach, repetindo a mensagem: "Atenção, atenção, esta é uma zona de evacuação obrigatória. Por favor, saiam".

Na vizinha Geórgia, o governador Nathan Deal também determinou a evacuação da cidade de Savannah, com uma população de cerca de 150 mil pessoas, e de outras zonas costeiras. De acordo com o Centro Nacional de Furacões, com base em Miami, Irma deve atingir as ilhas Florida Keys na noite de sábado, antes de avançar pelo continente.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247