Governo Bolsonaro choca a ONU ao negar oficialmente golpe de 1964

O governo de Bolsonaro choca a ONU ao se recusar a reconhecer na ONU a existência de um golpe de estado em 1964. Num evento realizado pela OAB, relatores internacionais e entidades, o Itamaraty também se negou a usar o termo "regime militar" e insistiu em falar de "eventos entre 1964 e 1985"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo de Jair Bolsonaro se recusou a reconhecer na ONU a existência de um golpe de estado em 1964. Num evento realizado pela OAB, relatores internacionais e entidades, o Itamaraty também se negou a usar o termo "regime militar" e insistiu em falar de "eventos entre 1964 e 1985". A informação é do jornalista Jamil Chade, em sua coluna no UOL. 

A intervenção foi feito nesta terça-feira, num encontro realizado pela OAB, Instituto Herzog e que contou com a presença de relatores internacionais. O grupo, dentro da sede das Nações Unidas, denunciava de forma inédita o desmonte dos mecanismos de Justiça, Memória e Verdade por parte do governo de Bolsonaro.

Brasília não mandou nem sequer sua embaixadora na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo, ao evento. A ministra de Direitos Humanos, Damares Alves, está na Hungria. Mas não se deu o trabalho de fazer a viagem até Genebra, poucas horas de vôo da Suíça, constatou o jornalista. 

Em nome do Itamaraty, um diplomata declarou que o governo "saúda o debate público sobre os eventos entre 1964 e 1985".

Chade relata que uma jornalista mexicana questionou o diplomata: "houve ou não houve golpe?"

Uma vez mais, o diplomata evitou confirmar a existência do golpe e apenas explicou que já enviou em abril uma carta às Nações Unidas com a posição do governo brasileiro. Nela, o Planalto insiste que os "eventos" de 64 foram "legítimos", que faziam parte da luta contra o comunismo e nega a existência de um golpe.

Sua fala gerou um constrangimento entre os participantes. Glenda Mezarobba, representante do Instituto Vladimir Herzog, pediu a palavra e respondeu à jornalista mexicana. "Sim, houve um golpe de estado em 1964", declarou. Enquanto pessoas na sala balançavam a cabeça diante da resposta do governo. 

José Carlos Dias, ex-ministro da Justiça do governo FHC e presidente da Comissão Arns, se disse "indignado" diante da postura do presidente Bolsonaro de fazer "apologia da tortura".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247