Governo Bolsonaro não paga dívida de R$ 4 bi e Brasil pode perder direito a voto em organismos internacionais

Dívida de cerca de R$ 4 bilhões junto a organismos internacionais poderá fazer com que o Brasil perca o direito a voto em fóruns multilaterais, com destaque para os do sistema da ONU, em 2021

Moedes de 1 real, Paulo Guedes e Bolsonaro
Moedes de 1 real, Paulo Guedes e Bolsonaro (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A dívida de cerca de R$ 4 bilhões por parte do governo Jair Bolsonaro junto a organismos internacionais poderá fazer com que o Brasil perca o direito a voto em fóruns multilaterais, especialmente nos que integram os sistemas da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2021.  Uma das alternativas em estudo, segundo reportagem do jornal O Globo, seria a adoção de um crédito especial de R$ 1,2 bilhão, já que não existe dotação orçamentária para esta finalidade. 

Neste ano, o governo Bolsonaro ainda não desembolsou valor algum para quitar os débitos e o crédito especial é considerado o mínimo necessário para que o Brasil mantenha o status e as atividades junto a estes organismos. Somente junto ao sistema da ONU o país deve pagar cerca de US$ 113,5 milhões ainda este ano, sob pena de perder o direito ao voto em temas da Assembleia Geral das Nações Unidas e outros conselhos da instituição.

Uma outra dívida do Brasil, de R$ 84,4 milhões, está junto a Organização Mundial da Saúde (OMS). O país também possui contas em aberto com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), nos valores de R$ 28,77 milhões e R$ 90,32 milhões, respectivamente. 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247