Grupo de Puebla pede o fim da violência no Chile e a não criminalização dos protestos

Por conta da escalada da violência no Chile e da repressão do governo chileno aos manifestantes, o Grupo de Puebla lançou neste domingo (20) declaração assinada por ex-presidentes como Dilma Rousseff, Ernesto Samper, Fernando Lugo e Rafael Correa pedindo o fim da violência e a não criminalização dos atos

Protesto no Chile
Protesto no Chile (Foto: Carlos Vera/Reuters)

247 - O Grupo de Puebla, formado por lideranças progressistas da América Latina, lançou nesto domingo (20) uma declaração solicitando o fim da violência no Chile e a não criminalização de protestos.

Leia a declaração abaixo em tradução livre:  

Os governos neoliberais da América Latina mostraram que têm uma capacidade comum: transformar seus países em nações inimigas e governar colocando suas democracias entre parênteses.

Em países como Argentina, Chile, Colômbia e Equador, encontramos um denominador comum: protestos sociais contra medidas de ajuste fiscal e sua criminalização pelas autoridades.

Diante dessa construção da barbárie, a direita apela para o que está mais próximo, a cultura do medo. O aumento do preço da passagem no Chile é uma gota equivalente a qualquer uma que tenha vindo a encher a paciência desde a instalação do modelo neoliberal durante a ditadura, e que foi acentuado sob as administrações de direita de Sebastián Piñera.

No Chile, o chamado milagre econômico latino-americano consiste em uma sociedade que fez da dívida seu contrato social. Indivíduos que querem viver juntos, mas que vivem em um modelo que os deixa sozinhos e converte em criminosos os que se atrevem a reclamar.

O governo de Piñera - por um lado - sempre favoreceu esse contrato social de mal-estar, beneficiando milhões de dólares com reformas tributárias para os mais ricos, fortalecendo os negócios de previdência privada, desarmando os direitos conquistados de gratuidade no ensino superior, entre várias outras medidas. Mas, por outro lado, em sua ineptidão e indolência, conseguiu transformar o protesto de solidariedade de alguns estudantes do ensino médio, diante do aumento da passagem do metrô - o aumento da passagem não os afetou, mas seus pais - em um movimento.

Porque ao mesmo tempo em que ele decidiu fechar as portas do trem para todos, ele também transformou todos os chilenos em evasores. Ele fez soar o toque de recolher que ressoa, novamente, como na ditadura, nos ouvidos traumatizados de gerações inteiras. A violência se espalhou e três pessoas já morreram em circunstâncias que o governo não conseguiu esclarecer. A história não se repete, a história está ancorada na pedra do abuso no Chile.

Por isso, o Grupo de Puebla:

- Apoia a demonstração pacífica do povo do Chile, que os alunos do ensino médio começaram referente ao aumento da passagem do metrô, mas que enfrentam as desigualdades e injustiças que estão enraizadas no aprofundamento do modelo neoliberal do atual governo.

- Observa com preocupação a criminalização do povo em seu legítimo direito de protesto, pelo governo de Sebastián Piñera.

- Repudia o chamado à repressão militar contra as manifestações e a declaração do Estado de Exceção como um mecanismo para a proteção da ordem pública devido a um mau planejamento e implementação de políticas governamentais.

- Urge ao presidente Sebastián Piñera não apenas a suspensão, mas o envio de um decreto revogatório para o aumento da passagem, bem como o fim da repressão e barbarização da cidadania mobilizada e organizada.

- Espera que a solução para esta crise seja pacífica e que seja uma oportunidade que assinale o início de um novo caminho de transformação em direção à sociedade justa e solidária que os chilenos merecem.

Assinado em 20 de outubro de 2019

Celso Amorim
Karol Cariola  
Rafael Correa  
Marco Enríquez-Ominami  
Fernando Haddad  
José Miguel Insulza  
Camilo Lagos  
Fernando Lugo  
Esperanza Martínez  
Daniel Martínez  
Aloizio Mercadante  
Carlos Ominami  
Carol Proner  
Gabriela Rivadeneira  
Dilma Rousseff  
Ernesto Samper  
Jorge Taiana

Ao vivo na TV 247 Youtube 247