Igor Fuser: Bolsonaro colocou em risco comércio de bilhões com o Irã para agradar Trump

O professor da UFABC falou à TV 247 sobre o caso de navios do Irã que estão, desde junho, parados no porto de Paranaguá sem combustível; “Esse precedente aberto pela diplomacia brasileira pode ter um impacto muito forte sobre o comércio exterior do Brasil”, disse Fuser; assista

Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC) Igor Fuser conversou com a TV 247 sobre o caso dos dois navios iranianos que estão parados no porto de Paranaguá, no litoral do Paraná, desde junho, sem combustível. Igor Fuser avaliou que o posicionamento brasileiro de não abastecer os navios do Irã pode causar prejuízos ao comércio exterior do país. Neste domingo, 21, o presidente Jair Bolsonaro disse estar alinhado aos Estados Unidos sobre a questão.

 “Eu acho que nosso país ainda não se deu conta da gravidade desse incidente com esses navios iranianos que continuam lá ao lado do porto de Paranaguá em uma situação que tende a se tornar dramática, eles não podem ir embora sem combustível. Esse precedente aberto pela diplomacia brasileira pode ter um impacto muito forte sobre o comércio exterior do Brasil”, afirmou Fuser.

O professor explicou que a postura do governo brasileiro é ilegal porque viola tratados internacionais que permitem o livre trânsito de embarcações e o direito ao reabastecimento. “Não existe nada que proíba os navios iranianos de receberem seus combustíveis no Brasil”.

PUBLICIDADE

Fuser ressaltou também que a decisão do Brasil não tem origem em nenhum pedido oficial dos Estados Unidos. “Ao mesmo tempo, essa atitude não vem como resposta a nenhum pedido, nem mesmo do governo dos Estados Unidos, do ponto de vista oficial. Simplesmente o governo brasileiro, para agradar seus chefes, que estão situados em Washington, toma essa iniciativa de apresar os navios iranianos, em função daquilo que o Bolsonaro disse: ‘estamos alinhados com os Estados Unidos, nem sequer precisamos conversar antes’”.

Sobre o impacto econômico do atrito entre Brasil e Irã, o professor afirmou que o posicionamento brasileiro pode causar grandes prejuízos ao comércio exterior com o Irã, o quinto maior comprador de produtos agrícolas do Brasil. “De um lado existe a especulação de que talvez a Petrobras possa sofrer algum tipo de problema com os Estado Unidos se abastecer esses navios. De outro lado, existe um contrato, práticas comerciais estabelecidas entre Brasil e Irã, que garantem o fluxo normal de comércio entre os dois países. O Irã é o quinto maior comprador de produtos agrícolas do Brasil, é o maior comprador de milho brasileiro, o Brasil tem comércio intenso, há muitos anos, com o Irã. Nos últimos 10 anos o Brasil vendeu ao Irã US$ 19,6 bilhões em mercadorias. É uma decisão do governo brasileiro que coloca em risco interesses comerciais importantíssimos para o Brasil”.

PUBLICIDADE

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email