Impasse político por suspensão do Paraguai trava Parlasul

Suspensos do Mercosul até a eleição presidencial do próximo ano, representantes paraguaios no parlamento do bloco insistem em participar das sessões, mas os argentinos operam para evitar o quórum mínimo; assim, os novos membros venezuelanos não conseguem tomar posse

Impasse político por suspensão do Paraguai trava Parlasul
Impasse político por suspensão do Paraguai trava Parlasul (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Senado - A adesão da Venezuela ao Mercosul e a temporária suspensão do Paraguai do bloco já foram oficialmente notificados à Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul (Parlasul). Mas o impasse político que resulta das duas decisões ainda deve retardar por alguns meses a retomada das sessões do órgão legislativo regional.

Em ofício assinado pelo coordenador brasileiro do Grupo Mercado Comum, embaixador Antonio Simões, a presidência pro tempore brasileira do bloco comunica à representação – e a diversos outros órgãos públicos e privados – que está suspenso, com base no Protocolo de Ushuaia sobre Compromisso Democrático, o direito do Paraguai de participar dos órgãos do Mercosul (entre os quais está o próprio parlamento, embora este não tenha sido expressamente mencionado no documento) e de suas deliberações.

A suspensão decorre do rápido impeachment do ex-presidente paraguaio Fernando Lugo pelo Poder Legislativo daquele país. A decisão foi interpretada pelos demais países do bloco como uma interrupção do processo democrático no Paraguai. Argentina, Brasil e Uruguai decidiram então que o Paraguai só voltará a integrar plenamente o Mercosul após a realização de novas eleições.

O mesmo ofício informa que, a partir de 12 de agosto, a Venezuela adquire oficialmente a condição de Estado Parte do Mercosul, com todos os direitos e obrigações dos outros países do bloco. O ingresso definitivo da Venezuela só dependia de uma decisão do Poder Legislativo do Paraguai.

Com a suspensão do Paraguai, os governos de Argentina, Brasil e Uruguai decidiram promover a adesão da Venezuela como membro pleno do bloco.

A partir desta semana, portanto, a Venezuela poderia vir a participar com voz e voto – e não apenas com direito a voz, como no início do funcionamento do órgão legislativo regional – das sessões do Parlasul. Segundo cálculos extraoficiais, os venezuelanos passarão a ser representados em Montevidéu, na atual fase de implantação do Parlasul, por 22 parlamentares – juntamente aos 18 do Uruguai, 26 de Argentina e 37 do Brasil.

Ainda não há, porém, nenhuma data prevista para que isto ocorra. Neste ano, houve uma tentativa de realização de sessão do parlamento. Como os parlamentares paraguaios, os únicos eleitos até o momento pelo voto popular, insistiram em participar da sessão, ocorreu um impasse. A Representação Argentina evitou dar o quórum necessário à abertura da sessão, uma vez que não concordava com a presença dos paraguaios, suspensos do bloco. Sem a realização de uma sessão, por sua vez, não podem tomar posse os parlamentares que vierem a ser indicados pela Venezuela.

Somente um acordo político entre os cinco países envolvidos, que defina a situação dos parlamentares paraguaios e a posse dos venezuelanos, deverá permitir que se realize a primeira sessão do ano do Parlasul.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email