CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Irã diz que ataque de Israel a sua embaixada na Síria matou comandantes

A missão diplomática iraniana instou o Conselho de Segurança da ONU a condenar o ataque e disse que Teerã se reserva o direito "de dar uma resposta decisiva"

Israel ataca embaixada do Irã na Síria (Foto: Firas Makdesi/REUTERS )
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Reuters - Aviões de guerra israelenses bombardearam a embaixada do Irã na Síria na segunda-feira (1), em um ataque que o Irã disse ter matado sete de seus conselheiros militares, incluindo três comandantes seniores, marcando uma escalada importante na guerra de Israel com seus adversários regionais.

"Condenamos veementemente este ataque terrorista atroz que visou o prédio do consulado iraniano em Damasco e matou inocentes", disse o ministro das Relações Exteriores da Síria, Faisal Mekdad, que foi visto no local junto com o ministro do Interior da Síria.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O embaixador do Irã na Síria disse que o ataque atingiu um prédio consular no complexo da embaixada e que sua residência ficava nos dois andares superiores.

O Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã disse em um comunicado que sete conselheiros militares iranianos morreram no ataque, incluindo Mohammad Reza Zahedi, um comandante sênior de sua Força Quds, que é uma elite de espionagem estrangeira e braço paramilitar.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Israel tem há muito como alvo instalações militares do Irã na Síria e de seus procuradores, mas o ataque de segunda-feira foi a primeira vez que Israel atingiu o vasto complexo da embaixada em si.

Ele aumentou esses ataques paralelamente à sua guerra contra os palestinos liderados pelo Hamas, apoiado pelo Irã.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mais de 32.000 palestinos foram mortos na ofensiva de Israel em Gaza, de acordo com autoridades de saúde palestinas.

O exército de Israel intensificou os ataques aéreos na Síria contra o Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã e o grupo armado libanês apoiado pelo Irã, Hezbollah, ambos os quais apoiam o presidente sírio Bashar al-Assad.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Israel normalmente não discute ataques de suas forças contra a Síria. Perguntado sobre o ataque, um porta-voz militar israelense disse: "Não comentamos sobre relatos na mídia estrangeira".

O New York Times citou quatro autoridades israelenses não identificadas como reconhecendo que Israel havia realizado o ataque.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A missão do Irã na ONU descreveu o ataque como uma "violação flagrante da Carta das Nações Unidas, do direito internacional e do princípio fundamental da inviolabilidade de instalações diplomáticas e consulares".

Dizendo que o ataque foi "uma ameaça significativa à paz e segurança regional", a missão iraniana instou o Conselho de Segurança da ONU a condenar o ataque e disse que Teerã se reserva o direito "de tomar uma resposta decisiva".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O Hezbollah, aliado do Irã, prometeu retaliar. "Este crime não passará sem que o inimigo receba punição e vingança", disse o grupo em um comunicado.

Nações muçulmanas, incluindo Iraque, Jordânia, Omã, Paquistão, Qatar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos também condenaram o ataque, assim como a Rússia.

Anteriormente, o embaixador do Irã na Síria, Hossein Akbari, que não ficou ferido, disse à TV estatal iraniana que cinco a sete pessoas, incluindo diplomatas, foram mortas e que a resposta de Teerã será "severa".

A mídia estatal iraniana disse que Teerã acredita que Zahedi era o alvo do ataque. Seu vice e outro comandante sênior também foram mortos, junto com outras quatro pessoas.

A TV em árabe Al Alam do Irã disse que Zahedi era um conselheiro militar na Síria que atuou como chefe da Força Quds no Líbano e na Síria até 2016.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Matthew Miller, disse que Washington permanece "preocupado com qualquer coisa que seja escalonável ou que cause um aumento no conflito na região", mas não espera que o ataque afete as negociações para libertar reféns israelenses mantidos pelo Hamas.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amirabdollahian, disse nesta terça-feira (2) que um diplomata suíço representando interesses dos EUA no país foi convocado por Teerã para enfatizar a responsabilidade de Washington no ataque.

"Uma mensagem importante foi enviada ao governo americano como apoiador do regime sionista (Israel). A América deve dar respostas", disse Amirabdollahian em um post no X.

Segundo a Axios, citando um oficial dos EUA, Washington disse a Teerã que "não teve envolvimento" ou conhecimento prévio do ataque israelense.

Os analistas estavam divididos se o ataque ao complexo da embaixada iraniana provocaria uma violência significativamente maior.

Jon Alterman, do think tank CSIS em Washington, disse que o ataque provavelmente reflete a crença de Israel de que tais ataques são dissuasores e tornam um conflito mais amplo menos menos provável.

"Os israelenses estão convencidos de que, se buscarem se manter afastados, a ameaça crescerá e não diminuirá", disse ele. "Eles estão convencidos de que, enquanto fizerem algo assim periodicamente, seus adversários serão dissuadidos."

No entanto, Steven Cook, analista do Conselho de Relações Exteriores em Washington, viu potencial para escalada.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO