Israel não quer retorno dos EUA ao acordo nuclear com o Irã

Segundo o embaixador israelense, Gilad Erdan, somente as sanções e uma forte investida militar poderiam parar o programa nuclear iraniano, e não a diplomacia através do acordo

Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu
Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu (Foto: REUTERS/Ammar Awad)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Segundo o embaixador israelense, Gilad Erdan, somente as sanções e uma forte investida militar poderiam parar o programa nuclear iraniano, e não a diplomacia através do acordo.

Nesta terça-feira (16), o embaixador israelense, Gilad Erdan, disse que Israel pode não dar suporte para o presidente norte-americano, Joe Biden, na estratégia em relação ao retorno dos EUA ao acordo nuclear com o Irã, segundo o The Jerusalem Post.

"Não seremos capazes de fazer parte de tal processo se o novo governo voltar a esse acordo", disse Erdan, citado pela mídia.

Israel não fez parte do acordo nuclear assinado em 2015, conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês). O país tem poderosos defensores dentro do Congresso dos Estados Unidos, no entanto, existem ameaças do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, de tomar uma ação militar unilateral contra o Irã se ele considerar que a diplomacia não está resolvendo suas questões com o estado iraniano.

"Achamos que se os Estados Unidos voltarem ao mesmo acordo de que já se retiraram, toda a sua influência será perdida", disse o embaixador.

Para Erdan, somente as sanções já existentes, ou até mesmo a criação de novas, junto a ameaças militares firmes, seriam capazes de impedir o avanço nuclear de Teerã.

"Parece que apenas sanções paralisantes - manter as sanções atuais e até adicionar novas sanções combinadas com uma ameaça militar confiável - [...] podem levar o Irã a negociações reais com os países ocidentais que podem, em última instância, produzir um acordo verdadeiramente capaz de evitar seu avanço [em armas nucleares]", disse o embaixador.

Os comentários de Gilad Erdan acontecem em um momento delicado para o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Candidato à reeleição no próximo mês, o premiê até agora não recebeu uma ligação do novo presidente dos EUA, Joe Biden, desde o dia de sua posse em 20 de janeiro.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email