Kerry pede que Israel e Palestina concordem com fronteiras de 1967

O secretário de Estado americano ainda disse que a decisão dos EUA em se abster da votação foi em acordo com os valores dos EUA

O secretário de Estado americano ainda disse que a decisão dos EUA em se abster da votação foi em acordo com os valores dos EUA
O secretário de Estado americano ainda disse que a decisão dos EUA em se abster da votação foi em acordo com os valores dos EUA (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Sputinik

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, pediu hoje que Israel e os palestinos concordem em fronteiras de dois estados baseadas em linhas anteriores à guerra de 1967.

Kerry afirmou que a decisão dos EUA de se abster da votação da semana passada foi "em acordo com nossos valores".

"Algumas pessoas parecem acreditar que a amizade dos EUA significa que temos de aceitar qualquer política, independente de nossos próprios interesses, nossas próprias posições, palavras, nossos próprios princípios — mesmo após pedir e pedir novamente para que essa política mudasse. Amigos precisam dizer as coisas difíceis uns para os outros", declarou.

O secretário de Estado disse ainda que a base das negociações entre Israel e Palestina devem ser o princípio de "fornecer fronteiras internacionais seguras e reconhecidas entre Israel e uma Palestina viável e contígua negociada com base nas linhas de 1967".

A declaração foi dada em um momento de estremecimento entre os dois países, depois dos EUA se abster na votação do Conselho de Segurança da ONU que condenou os assentamentos de Israel em Jerusalém Oriental.

Mostrar mais: https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/201612287305225-john-kerry-fronteiras-israel/

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email