Kim Jong-un chora e pede desculpas em discurso na Coreia do Norte

Falando em um desfile militar, o líder norte-coreano Kim Jong Un ficou emocionado ao prestar homenagem às tropas por sua resposta aos desastres nacionais e prevenção de um surto de coronavírus. "Nosso povo depositou confiança em mim, tão alto quanto o céu e tão profundo quanto o mar, mas eu falhei em sempre viver de acordo com isso de forma satisfatória", disse

Kim Jong-un
Kim Jong-un (Foto: KRT TV/ via REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O líder norte-coreano Kim Jong Un pareceu derramar lágrimas no fim de semana enquanto agradecia aos cidadãos por seus sacrifícios, na demonstração mais impressionante de como ele está contando com sua personalidade de “homem do povo” para enfrentar seu país aprofundamento de crises.

Embora o jovem líder tenha consolidado seu domínio sobre a nação isolada com expurgos implacáveis, os observadores da Coreia do Norte dizem que ele também procurou se retratar como um líder político mais tradicional do que seu pai excêntrico, Kim Jong Il. Falando em um desfile militar no sábado, Kim ficou emocionado ao prestar homenagem às tropas por sua resposta aos desastres nacionais e prevenção de um surto de coronavírus e pediu desculpas aos cidadãos por não terem conseguido elevar os padrões de vida. 

“A modéstia e a franqueza de Kim, e suas lágrimas e sufocamento, eram todos altamente incomuns, mesmo para alguém que reconhece publicamente as deficiências e tem um padrão estabelecido de ser expressivo”, disse Rachel Minyoung Lee, pesquisadora independente e ex-analista de código aberto da Coreia do Norte para o governo dos EUA. O discurso, que foi claramente planejado para ressoar com o público doméstico, provavelmente cimentou a imagem de Kim como um líder competente e carismático que também tem um lado humano, ela disse. 

'SINTO MUITO' 

Kim - que sorriu largamente quando novos mísseis balísticos enormes foram exibidos no desfile - culpou as contínuas dificuldades econômicas da Coreia do Norte sobre as sanções internacionais, a crise do coronavírus e uma série de tufões e inundações prejudiciais. Desde que sucedeu a seu pai em 2011, Kim tornou o progresso econômico uma pedra angular de sua agenda. Ele também se encontrou com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, formando um relacionamento pessoal sem precedentes que incluiu cartas floridas. Mas planos ambiciosos para o comércio internacional, projetos de construção e outras medidas econômicas foram paralisados ​​devido às sanções impostas aos programas de armas nucleares e mísseis balísticos. 

A economia sofreu um novo golpe quando a Coreia do Norte fechou suas fronteiras para quase todo o tráfego devido à pandemia, e os tufões de verão causaram inundações que ameaçaram ainda mais o abastecimento de alimentos.

“Nosso povo depositou confiança em mim, tão alto quanto o céu e tão profundo quanto o mar, mas eu falhei em sempre viver de acordo com isso de forma satisfatória”, disse Kim, em um ponto parecendo sufocar. "Eu realmente sinto muito por isso."

Kim disse que o sucesso do país em prevenir um surto de coronavírus e superar outros desafios foi uma “grande vitória alcançada” pelos cidadãos.

“Nosso povo sempre foi grato ao nosso Partido, mas ninguém menos que eles próprios merece uma reverência de gratidão”, disse ele.

Tanto o foco nos cidadãos foi o principal ponto de partida para tais eventos, onde os discursos são geralmente preenchidos com temas mais ideológicos e elogios do Partido dos Trabalhadores da Coreia, disse Lee.

“O discurso foi claramente destinado a ser para e sobre o povo”, disse ela.

ABORDAGEM PESSOAL

Em contraste com seu pai distante, Kim levou sua esposa a cúpulas políticas com líderes estrangeiros, muitas vezes se inclina para abraçar crianças e se mistura com trabalhadores em aparições públicas.

Parte dessa abordagem folclórica moldou sua resposta pública aos desafios econômicos do país, disse Benjamin Katzeff Silberstein, um especialista em economia norte-coreano do centro de estudos Stimson Center, com sede nos Estados Unidos.

“Kim tem estado mais pessoalmente presente e visível em locais de reconstrução de desastres e similares, e ele priorizou muitos dos projetos de construção simbólicos projetados para mostrar o progresso econômico”, disse ele.

Mas, apesar de alguns movimentos iniciais no sentido de abraçar os mercados, Kim não é um reformador radical e suas prescrições de política tendem a se basear no manual da Coreia do Norte desenvolvido por seu pai e avô, o fundador do estado Kim Il Sung, disse Silberstein.

As Nações Unidas afirmam que, no governo de Kim, a Coréia do Norte continuou a aniquilar as liberdades básicas, mantendo campos de prisioneiros políticos e vigilância estrita de seus cidadãos. Kim mandou executar seu tio, de acordo com a mídia estatal, e os Estados Unidos acusaram seu governo de usar o agente químico VX para assassinar seu meio-irmão, Kim Jong Nam, em 2017, uma alegação que Pyongyang negou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247