Lagarde diz que há motivos para preocupação com economia mundial

Diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, considerou nesta quarta-feira, 30, que há "razões para preocupação" com a economia mundial; "Há razões para preocupação. A perspectiva de uma subida das taxas de juro nos Estados Unidos e o abrandamento na China alimentam uma incerteza e uma maior volatilidade dos mercados", declarou; dirigente apontou igualmente uma "nítida desaceleração" do comércio mundial e a "queda rápida" dos preços das matérias-primas, que prejudicam as finanças dos países emergentes que as exportam

Diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, considerou nesta quarta-feira, 30, que há "razões para preocupação" com a economia mundial; "Há razões para preocupação. A perspectiva de uma subida das taxas de juro nos Estados Unidos e o abrandamento na China alimentam uma incerteza e uma maior volatilidade dos mercados", declarou; dirigente apontou igualmente uma "nítida desaceleração" do comércio mundial e a "queda rápida" dos preços das matérias-primas, que prejudicam as finanças dos países emergentes que as exportam
Diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, considerou nesta quarta-feira, 30, que há "razões para preocupação" com a economia mundial; "Há razões para preocupação. A perspectiva de uma subida das taxas de juro nos Estados Unidos e o abrandamento na China alimentam uma incerteza e uma maior volatilidade dos mercados", declarou; dirigente apontou igualmente uma "nítida desaceleração" do comércio mundial e a "queda rápida" dos preços das matérias-primas, que prejudicam as finanças dos países emergentes que as exportam (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Lusa - A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, considerou hoje (30) que há "razões para preocupação" com a economia mundial, afetada pela desaceleração na China e pelo provável aumento das taxas de juro nos Estados Unidos.

"Há razões para preocupação. A perspectiva de uma subida das taxas de juro nos Estados Unidos e o abrandamento na China alimentam uma incerteza e uma maior volatilidade dos mercados", declarou Lagarde em discurso em Washington.

A dirigente apontou igualmente uma "nítida desaceleração" do comércio mundial e a "queda rápida" dos preços das matérias-primas, que prejudicam as finanças dos países emergentes que as exportam.

Os progressos econômicos alcançados por esses países parecem agora "ameaçados", disse Lagarde, dias antes da abertura da assembleia anual do FMI, que este ano ocorre em Lima.

A responsável não revelou as novas previsões mundiais do FMI que serão divulgadas nessa ocasião, mas disse que o crescimento econômico global deve ser este ano "mais fraco" do que em 2014.

No discurso, Lagarde manifestou-se particularmente preocupada com o impacto de um próximo aumento das taxas de juro do banco central norte-americano, que estão próximas de zero desde final de 2008.

Segundo a diretora-gerente, essa mudança poderá levar os investidores a retirarem os fundos dos países emergentes para os Estados Unidos, com uma valorização ainda maior do dólar, pois muitas empresas têm as suas dívidas em dólares.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247