Líder nas pesquisas nos Estados Unidos manda Bolsonaro parar de queimar a Amazônia

“Nós deveríamos ter um presidente que estivesse falando agora com o presidente do Brasil, dizendo: ‘Olhe, pare de queimar a Amazônia’", criticou o candidato democrata Joe Biden, líder na disputa presidencial estadunidense

Joe Biden
Joe Biden (Foto: REUTERS/Bastiaan Slabbers)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Infomoney - O candidato democrata Joe Biden afirmou nesta sexta-feira (22) que os Estados Unidos deveriam cobrar o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, pelos incêndios na Amazônia.

A declaração foi dada em entrevista à emissora CNBC, que questionou o ex-vice de Barack Obama sobre suas políticas ambientais.

“Nós deveríamos ter um presidente que estivesse falando agora com o presidente do Brasil, dizendo: ‘Olhe, pare de queimar a Amazônia’, que é maior sumidouro de carbono no mundo”, declarou Biden.

Na entrevista, o candidato também prometeu investir em energias renováveis e promover uma “política racional” sobre o aquecimento global para criar empregos.

Vice-presidente dos EUA entre 2009 e 2017 e senador por Delaware entre 1973 e 2009, Biden deve ser o adversário do republicano Donald Trump nas eleições de 2020.

No segundo semestre do ano passado, a escalada dos incêndios na Amazônia atraiu a atenção do mundo e aumentou as cobranças da comunidade internacional sobre o Brasil.

Líderes da União Europeia, como o presidente da França, Emmanuel Macron, chegaram a colocar em dúvida a assinatura do acordo de livre comércio com o Mercosul por causa das queimadas. (ANSA)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email