Liga Árabe permanece na Síria sem a ajuda da ONU

Apesar das crticas envolvendo a sua eficincia, comit decidiu "dar aos observadores o tempo necessrio para manterem sua misso conforme o protocolo". O plano aceito pelo regime de Bashar al-Assad tem o objetivo de acabar com a violncia no Pas

Liga Árabe permanece na Síria sem a ajuda da ONU
Liga Árabe permanece na Síria sem a ajuda da ONU (Foto: REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 com agências internacionais - A Liga Árabe decidiu neste domingo que a missão com observadores na Síria irá continuar mesmo sem ajuda da ONU, apesar das críticas envolvendo a sua eficiência. No entanto, o grupo pediu mais apoio político, financeiro e logístico para os países-membros.

O plano árabe, aceito pelo regime de Bashar al-Assad, tem o objetivo de pôr fim à violência, libertar os presos, retirar o Exército das cidades e conseguir a livre circulação, em todo o país, dos 163 observadores e dos jornalistas.

A missão fez um relatório pedindo ao governo sírio e também aos grupos armados do país que acabem com a onda de violência que toma conta do país. O documento denunciou que a violência no país continua, inclusive com tropas do governo nas ruas. Além disso, segundo os observadores, o governo sírio é responsável por violações dos direitos humanos.

O premier do Qatar, Hamad bin al-Thani declarou que o relatório mostra que "as mortes diminuíram, mas um só morto é um morto a mais (...) Esperamos que o governo sírio tome medidas decisivas para interromper o derramamento de sangue. A Síria deve ser forte e tomar uma decisão histórica."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email