Lula à Telesur: "Vou brigar até restabelecer a democracia no Brasil"

Emissora multiestatal venezuelana veiculou entrevista com o Lula na última quinta-feira (26), onde o ex-presidente analisa as mudanças na conjuntura política brasileira desde junho de 2013 e salienta que irá "brigar até restabelecer a democracia no Brasil" e que "o povo brasileiro está perdendo o direito de sonhar"

Lula à Telesur
Lula à Telesur (Foto: Brasil247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasil de Fato - "Vou brigar até restabelecer a democracia no Brasil". Essa foi a promessa feita pelo ex-presidente Lula (PT) em entrevista concedida ao jornalista Nacho Lemus e veiculada pelo canal multiestatal TeleSUR na noite da última quinta-feira (26). Em pouco mais de 30 minutos de conversa, o petista analisa as mudanças na conjuntura política brasileira desde junho de 2013 e é taxativo ao criticar o governo Bolsonaro: "O povo brasileiro está perdendo o direito de sonhar".

Lula atribui às manifestações de 2013 o início da "disseminação do ódio no país", que levou, por exemplo, ao golpe contra a então presidenta Dilma Rousseff (PT), três anos depois. O ex-presidente ainda disse acreditar que os Estados Unidos podem ter sido responsáveis por promover aquelas mobilizações, já com intuito de desestabilizar o governo brasileiro.

“Elas já foram articuladas para garantir o golpe. Elas não tinham reivindicações específicas, mas foram incentivadas pela mídia brasileira e incentivadas, inclusive, de fora para dentro. Eu acho já que teve o braço dos Estados Unidos nas manifestações do Brasil”, disse Lula ao ser questionado sobre as manifestações contra o neoliberalismo que sacudiram Chile, Colômbia e Equador no fim de 2019. “A diferença é que essas manifestações são feitas para conquistar direitos”, ponderou.

Conforme a análise do ex-presidente, desde então, o ódio é disseminado sobretudo pelos meios de comunicação. "Tudo isso resultou na eleição do Bolsonaro. A negação da política, o ódio a politica, o ódio ao sindicato, o ódio à organização dos trabalhadores, o ódio à esquerda", listou, sempre ressaltando o papel do imperialismo nos golpes na América Latina.

"Em 500 anos de história, não conheço uma única atitude dos EUA em benefício da autonomia e da liberdade de algum país na América Latina", declarou.

Ao final da entrevista, Lula falou sobre sua prisão política, que durou 580 dias, e ressaltou que a perseguição continua. "Essa gente não pode ficar impune. Ou as instâncias superiores, que são responsáveis por garantir a democracia, tomam uma atitude, ou a gente vai ver uma minoria no Judiciário e no Ministério Público tentando destruir as instituições, tentando causar mal ao nosso país", lamentou.

"Um dia, a Lava Jato vai ser responsabilizada pelos prejuízos que causou à economia brasileira: só no PIB [Produto Interno Bruto], foram mais de R$ 142 bilhões, além dos mais de 2 milhões de desempregados", finalizou o ex-presidente.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247