Maduro prepara Venezuela para a guerra civil

Convencido de que os Estados Unidos trabalham para fomentar uma guerra civil na Venezuela, à semelhança da Síria e Líbia, o presidente Nicolás Maduro determinou ao ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López, e à ministra do Interior, almirante Carmen Meléndez, "colocar as forças policiais e militares da pátria em alerta máximo"; Maduro denuncia que “paramilitares estão sendo infiltrados, a partir da Colômbia, para gerar tumulto e violência em seu país; "Querem infiltrar grupos armados treinados pelos paramilitares da Colômbia, obedecendo a ordens do norte (Estados Unidos), para destruir a pátria de Bolívar", disse ele em vídeo

www.brasil247.com - Convencido de que os Estados Unidos trabalham para fomentar uma guerra civil na Venezuela, à semelhança da Síria e Líbia, o presidente Nicolás Maduro determinou ao ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López, e à ministra do Interior, almirante Carmen Meléndez, "colocar as forças policiais e militares da pátria em alerta máximo"; Maduro denuncia que “paramilitares estão sendo infiltrados, a partir da Colômbia, para gerar tumulto e violência em seu país; "Querem infiltrar grupos armados treinados pelos paramilitares da Colômbia, obedecendo a ordens do norte (Estados Unidos), para destruir a pátria de Bolívar", disse ele em vídeo
Convencido de que os Estados Unidos trabalham para fomentar uma guerra civil na Venezuela, à semelhança da Síria e Líbia, o presidente Nicolás Maduro determinou ao ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López, e à ministra do Interior, almirante Carmen Meléndez, "colocar as forças policiais e militares da pátria em alerta máximo"; Maduro denuncia que “paramilitares estão sendo infiltrados, a partir da Colômbia, para gerar tumulto e violência em seu país; "Querem infiltrar grupos armados treinados pelos paramilitares da Colômbia, obedecendo a ordens do norte (Estados Unidos), para destruir a pátria de Bolívar", disse ele em vídeo (Foto: Valter Lima)


Café na Política - Convencido de que os Estados Unidos trabalham para fomentar uma guerra civil na Venezuela, à semelhança da Síria e Líbia, com o fim de apossar-se do maior manancial de petróleo mundo existente naquele país, o presidente Nicolás Maduro determinou agora há pouco ao ministro da Defesa, general Vladimir Padrino López, e à ministra do Interior, almirante, Carmen Meléndez, “colocar as forças policiais e militares da pátria em alerta máximo”.

Maduro, que há uma semana desbaratou uma tentativa de golpe cívico e militar, denuncia desta vez que “paramilitares estão sendo infiltrados, a partir da Colômbia, para gerar tumulto e violência em seu país: “Querem infiltrar grupos armados treinados pelos paramilitares da Colômbia, obedecendo a ordens do norte (Estados Unidos), para destruir a pátria de Bolívar”.

Para contraatacar as investidas externas e internas contra a revolução bolivariana, iniciada por Hugo Chávez há 15 anos, Nicolás Maduro afirmou que o desafio é produzir mais e garantir o cumprimento das metas (do governo nacional). Para isso, fez um chamamento aos trabalhadores a permanecer de sobreaviso ante os ataques da ultradireita. Por fim, solicitou o respaldo da classe operária para defender a democracia e a paz na Venezuela.

Antes a rede de elevisão Multiestatal Telesur transmitiu um documentário sobre as denúncias de violações dos direitos humanos, em que comprova, com imagens, que a prisão do prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, ocorrida na semana passada, se deu com base judicial e sem qualquer tipo de violência como a relatada pela mídia internacional. Segundo este relato, Ledezma sofreu violência física e foi sequestrado por indivíduos encapuzados. O vídeo da telesur, ao contrário, mostra Ledezma caminhando tranquilamente sob a escolta de agentes do serviço de inteligência (Seibin) e ainda fazendo com os dedos o V da vitória.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No mesmo vídeo, a rede venezuelana, também integrada por capital da Argentina, Bolívia, Cuba Equador, Nicarágua e Uruguai, faz um relato dos massacres comandados pelos governos que antecederam Hugo Chávez, mostrando que três mil pessoas foram mortas no Caracazo de 1989, sob o regime do presidentte civil Carlos Andrés Pérez.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email