Maduro puxa Fora Temer e diz que ele não tem moral para falar em democracia

"Sai o presidente não eleito do Brasil a dizer que vai liderar uma auditoria internacional contra o processo eleitoral. Tem moral o presidente golpista do Brasil para vir auditar o processo eleitoral da Venezuela? Daqui da Venezuela, dizemos: Fora, Temer!", disse Maduro durante a posse do novo governador do estado de Miranda, Héctor Rodríguez

"Sai o presidente não eleito do Brasil a dizer que vai liderar uma auditoria internacional contra o processo eleitoral. Tem moral o presidente golpista do Brasil para vir auditar o processo eleitoral da Venezuela? Daqui da Venezuela, dizemos: Fora, Temer!", disse Maduro durante a posse do novo governador do estado de Miranda, Héctor Rodríguez
"Sai o presidente não eleito do Brasil a dizer que vai liderar uma auditoria internacional contra o processo eleitoral. Tem moral o presidente golpista do Brasil para vir auditar o processo eleitoral da Venezuela? Daqui da Venezuela, dizemos: Fora, Temer!", disse Maduro durante a posse do novo governador do estado de Miranda, Héctor Rodríguez (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Opera Mundi

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta quinta-feira (19/10) que seu homólogo do Brasil, Michel Temer, “não tem moral” para falar de eleições, já que assumiu o cargo por meio de um golpe parlamentar. O Brasil, junto com outros países que compõem o chamado “Grupo de Lima”, não reconheceu os resultados do último pleito regional na Venezuela e pediu uma auditoria nos números.

"Sai o presidente não eleito do Brasil a dizer que vai liderar uma auditoria internacional contra o processo eleitoral. Tem moral o presidente golpista do Brasil para vir auditar o processo eleitoral da Venezuela? Daqui da Venezuela, dizemos: Fora, Temer!", disse Maduro durante a posse do novo governador do estado de Miranda, Héctor Rodríguez.

As reações internacionais de reprovação aos resultados da eleição vêm após o PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela) conquistar 18 dos 23 Estados em disputa, tirando alguns deles das mãos da oposição – que fala em fraude. Observadores internacionais, no entanto, atestaram a validade do processo eleitoral.

Estados Unidos

Maduro também criticou o presidente dos EUA, Donald Trump, que disse na quarta-feira (18/10) que os EUA enfrentam uma “opressão socialista” por parte do governo venezuelano.   

“Agora sou eu quem oprime o povo dos Estados Unidos. Nunca antes um presidente dos EUA havia dito essa quantidade de ataques e loucuras contra um presidente legítimo de Venezuela, nunca, em 200 anos”, afirmou.

“Se o império me ataca desta forma, é porque estou cumprindo minha missão, fazendo meu trabalho, estou sendo leal aos princípios da pátria e de um povo que merece a proteção do seu governo”, prosseguiu.

Costa Rica e Canadá

Além do Grupo de Lima, Costa Rica, Canadá e Estados Unidos também fizeram declarações de que não reconhecem os resultados. O chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, disse nesta quinta que San José “demonstra submissão vergonhosa aos EUA” ao atacar o processo eleitoral comandado por Caracas.

“Com seu insolente comunicado, a chancelaria da Costa Rica demonstra arrogância e ignorância absoluta sobre a realidade política venezuelana. A Costa Rica denota submissão vergonhosa ao prestar-se como instrumento do governo estadunidense para atacar a democracia venezuelana”, afirmou.

Arreaza disse que a baixa popularidade do presidente costa-riquenho Luis Guillerme Solís torna impossível que o governo do país consiga “emular vitórias eleitorais como as da Revolução Bolivariana”. “Quisera o governo da Costa contar com o contundente respaldo popular com que conta a Revolução Bolivariana na Venezuela”, prosseguiu.

Na terça (18/10), Arreaza entregou pessoalmente ao encarregado de negócios do Canadá na Venezuela, Craib Kowalik, uma carta em que protesta contra o que Caracas chama de “ingerência” de Ottawa nos assuntos internos do país.

A ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, havia afirmado em um comunicado que seu país "está muito preocupado com as ações do regime venezuelano para dificultar a realização de eleições livres e justas, especialmente via o controle anticonstitucional do Conselho Nacional Eleitoral (CNE)

Na resposta, Arreaza disse que “o governo bolivariano jamais se meteu nos assuntos internos dos canadenses”. O presidente Nicolás Maduro chamou para consultas o embaixador venezuelano no Canadá, Wilmer Barrientos, em um gesto considerado de alta voltagem diplomática.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247