Magnata da mídia de Hong Kong é preso com base na lei de segurança nacional chinesa

O magnata da mídia de Hong Kong Jimmy Lai, que se opõe ao governo de Pequim, foi preso acusado de conluio com forças estrangeiras sob a lei de segurança nacional recentemente aprovada pelo Parlamento chinês

Jimmy Lai
Jimmy Lai (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Jimmy Lai está sendo preso por conluio com potências estrangeiras neste momento", disse Mark Simon, executivo sênior da Next Digital, empresa de mídia de Lai, que publica o tabloide local Apple Daily, na manhã de segunda-feira. (domingo à noite no Brasil).

A polícia também conduz uma operação na redação da Next Digital.

A imprensa local reportou que outras seis pessoas foram presas em Hong Kong, e disse que dez ordens de prisão enquadradas na nova lei deveriam ser efetuadas nesta manhã. Por enquanto não há informações sobre a identidade dos demais presos, segundo O Globo.

Lai é um dos maiores apoiadores do movimento "pró-democracia" em Hong Kong, de oposição ao governo chinês. O Next Media Group forneceu uma plataforma poderosa e de amplo alcance para os manifestantes, em sua maioria jovens em Hong Kong.

A China defende que a Lei de Segurança é necessária para cobrir buracos nas defesas de segurança nacional expostas em protestos violentos. As autoridades de Pequim e Hong Kong dizem que a lei será usada apenas contra uma minoria de "causadores de problemas".

A cidade de Hong Kong é parte da China, desde sua devolução pelo Reino Unido, por acordo celebrado entre os dois países. O governo chinês rechaça os apelos separatistas em Hong Kong. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247