Mão única

Para que debate, se até o motorista de táxi argentino é contra a expropriação da YPF?

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A chamada grande imprensa brasileira não gosta de debater ideias e dá espaço apenas aos que se identificam com suas posições políticas e ideológicas. Uns veículos mais, outro menos, é preciso reconhecer, pois generalizações sempre são perigosas. Nos dias seguintes à decisão argentina de expropriar a YPF parecia que o mundo, unanimente, estava contra Cristina Kirchner – apoiada apenas pelos coitados dos argentinos, que não sabem o que fazem...

Na televisão, apresentadores, comentaristas e entrevistados desancavam a decisão. Buenos Aires tem milhares de motoristas de táxi, mas o único que apareceu no telejornal, claro, criticou a expropriação. Nenhuma voz a favor. Nos jornais, já nas manchetes se via a condenação à medida tomada e os especialistas convidados a escrever artigos eram, todos, contra a nacionalização da YPF. E assim por toda a chamada grande imprensa, que se diz defensora da pluralidade de opinião, mas cultiva o pensamento único.

Mesmo em meio a tantas matérias em um só sentido, algumas frases pinçadas ajudaram a mostrar o que a imprensa preferia não ver. A primeira, do vice-ministro de Economia da Argentina, Axel Kicillof, um dos poucos que pôde defender a medida na nossa grande imprensa: “Não podemos ter empresas cujos interesses colidam com os do país. Nosso crescimento não pode estar ameaçado por empresas estrangeiras que têm lógicas diferentes.”

Essa é a essência da questão, independentemente da opinião que se tenha sobre a expropriação. O investimento estrangeiro é importante, mas empresas que atual em outros países devem ser bem-vindas desde que se submetam à soberania, à estratégia de desenvolvimento e às leis da nação que as recebe.

Embora isso seja cada vez mais raro, empresários devem se submeter ao governo, e não o contrário. E na Argentina, goste-se ou não, o governo é exercido por uma presidente eleita por expressiva maioria e que tem o apoio do Congresso, também eleito.

Outra frase foi de um advogado especialista em Direito Internacional, Fernando Zilvetti: “A expropriação não é ilegal, mas tem de ser indenizada”. Isso não se discute, o que se discute é o valor da indenização que, segundo Zilvetti, pode ser arbitrada em um tribunal internacional. Não há impedimento à expropriação e à nacionalização, nas normas internacionais. É um direito de qualquer país.

O tempo dirá se a decisão foi ou não eficiente sob o ponto de vista econômico, e se beneficiará ou não o povo argentino. O tempo dirá também se a arrogância espanhola, apoiada pela não menos arrogante União Européia – e que tanto medo parece dar em algumas pessoas, que cultivam a subserviência aos poderosos como norma --, vai ter consequências reais ou se ficará apenas na bravata. Aliás, quem está precisando agradar ao público interno, por causa da crise que vive, é a Espanha.

A decisão do governo de Cristina Kirchner pode se mostrar certa ou errada, mas a Argentina tinha todo o direito de tomá-la. Mesmo nossa grande imprensa não gostando nada disso.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email