Mídia chinesa comenta que EUA são "comerciantes de guerra", que continuam jogando lenha na fogueira

Com uma mentalidade de Guerra Fria, os EUA forçaram cinco vezes a expansão da Otan para o leste

www.brasil247.com -
(Foto: Sputnik)


Rádio Internacional da China - O conflito militar russo-ucraniano completou um mês em 24 de março. Do cientista político estadunidense, John Joseph Mearsheimer, ao presidente sul-africano, Matamela Cyril Ramaphosa, cada vez mais personalidades internacionais acreditam que a causa principal da tensão entre a Rússia e a Ucrânia está na expansão ao longo dos anos da Otan para o leste da Europa. O Ocidente, particularmente os EUA, tem a maior responsabilidade pelo desastre na Ucrânia. 

Com uma mentalidade de Guerra Fria, os EUA forçaram cinco vezes a expansão da Otan para o leste. A Otan incluiu vários países do Leste Europeu como membros, constantemente ultrapassando o espaço estratégico da Rússia e cruzando a linha vermelha da segurança da soberania russa. A Rússia então deixou claro que estava muito preocupada com sua própria segurança e que se opunha estritamente à adesão da Ucrânia à Otan. No entanto, pouco antes da eclosão do conflito russo-ucraniano, os Estados Unidos foram intransigentes em suas negociações com a Rússia, alegando que a Otan não suspenderia sua expansão para o leste. É claro que o governo dos EUA queria um conflito militar entre a Rússia e a Ucrânia. 

Além disso, os EUA enviaram continuamente ajuda militar à Ucrânia. Após o início do conflito, os EUA e seus aliados ocidentais impuseram sanções abrangentes à Rússia e continuaram fornecendo ajuda militar maciça ao lado ucraniano, alimentando ainda mais a crise. De acordo com um memorando assinado pelo presidente dos Estados Unidos, em 16 de março foi permitido ao Departamento de Defesa dos EUA fornecer armas no valor de US$ 800 milhões à Ucrânia. Em 21 de março, o Departamento de Defesa dos EUA chegou até a ameaçar fornecer à Ucrânia sistemas de defesa aérea de longo alcance.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como disse o ex-congressista dos EUA, Tulsi Gabbard, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, poderia realmente ter impediro o conflito se tivesse prometido não admitir a Ucrânia na Otan. Um apresentador da Fox News também disse recentemente em seu programa: "Os Estados Unidos não devem provocar a Rússia... Devemos reconhecer que esta é uma guerra evitável". 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essas críticas não fazem os Estados Unidos, "comerciantes de guerra", repensarem suas ações. Pelo contrário, o país quer ver um conflito cada vez pior entre a Rússia e a Ucrânia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vale a pena notar que o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse recentemente que o conflito russo-ucraniano "não terminará de forma fácil ou rápida". Isso é exatamente o que os EUA querem, ou seja, empurrar a Rússia e a Ucrânia para mais combates a fim de alcançar seus múltiplos objetivos - suprimir a Rússia, conter a Europa, alimentar seu próprio complexo militar-industrial e consolidar a sua hegemonia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email