Milhares vão às ruas em Hong Kong contra projeto de extradição com a China

Milhares de pessoas saíram às ruas de Hong Kong neste domingo (28) para protestar contra um projeto do governo local destinado a autorizar as extradições para a China continental; protesto ocorre dias após quatro importantes personalidades do movimento pela democracia da ilha terem sido condenadas, com até 16 meses de prisão, pelo envolvimento nas manifestações que paralisaram a ex-colônia britânica em 2014 e que provocaram a ira de Pequim

Milhares vão às ruas em Hong Kong contra projeto de extradição com a China
Milhares vão às ruas em Hong Kong contra projeto de extradição com a China (Foto: REUTERS/Tyrone Siu)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da RFI - Milhares de pessoas saíram às ruas de Hong Kong neste domingo (28) para protestar contra um projeto do governo local destinado a autorizar as extradições para a China continental.

Essa manifestação, a maior organizada em Hong Kong nos últimos anos, contou com mais de 20 mil participantes, segundo a polícia.

O protesto ocorre dias após quatro importantes personalidades do movimento pela democracia da ilha terem sido condenadas, com até 16 meses de prisão, pelo envolvimento nas manifestações que paralisaram a ex-colônia britânica em 2014 e que provocaram a ira de Pequim.

"São professores, pessoas importantes que contribuem para a sociedade", declarou à AFP Fanly Leung, um contador de 61 anos. "Não é justo encarcerar pessoas tão respeitáveis", destacou.

Durante o protesto, foi exigida a demissão de Carrie Lam, a dirigente pró-Pequim da administração de Hong Kong.

Hong Kong conta atualmente com um sistema jurídico distinto da China, em virtude do princípio "um país, dois sistemas".

Mas Hong Kong anunciou no início deste ano um projeto para revisar suas regras de extradição, permitindo assim, "caso por caso", o envio de exilados para a China continental pela primeira vez.

O projeto, muito criticado pela falta de transparência do sistema jurídico chinês, o qual aplica a pena de morte, está em análise no parlamento local.

A iniciativa preocupa também os empresários, que temem que isso afete a atratividade do mercado financeiro da ilha.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247