Ministério Público da Bolívia emite alerta para impedir fuga de ministros golpistas

Os ministros Arturo Murillo e Luis López, do governo golpista boliviano, que chega ao fim com a posse neste domingo do presidente eleito Luis Arce, estão sendo investigados por superfaturamento de quase dois milhões de dólares na compra de equipamentos de repressão a manifestações. Ministério acionou nesta sexta-feira (06/11/2020) o alerta de imigração

Arturo Murillo
Arturo Murillo (Foto: Governo-Bolívia)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Promotoria Departamental de La Paz acionou nesta sexta-feira (6), o alerta de imigração para garantir que os ministros Arturo Murillo, do Interior, e Luis Fernando López, da Defesa, do governo golpista boliviano, que chega ao fim neste domingo, para garantir que sejam submetidos às investigações por corrupção na compra de equipamentos para reprimir manifestações. 

Marco Antonio Cossío, procurador departamental de La Paz, informou em entrevista coletiva que, depois que uma comissão de promotores analisou o caso, foi decidido ativar o alerta de imigração contra os dois ministros e mais duas pessoas para dar continuidade ao processo . “Temos de garantir a presença das autoridades para a investigação e finalizar a fase preliminar”, disse o responsável, esclarecendo que o alerta é nacional e que nenhum mecanismo foi ativado com a Interpol, informa a DW.

No caso de algum dos investigados querer sair do país, a Migração alertará o Ministério Público. 

Circulam nas redes sociais informações de que os ministros do governo golpista já podem ter fugido.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247