Mujica: devemos demonstrar benefícios da integração

"O Uruguai deve fazer uma experiência com o governo brasileiro, considerando que o Mercosul está paralisado, demonstrando ao resto da América Latina que a integração verdadeira gera benefícios mútuos", ressaltou o presidente uruguaio, José Mujica, durante reunião de empresários da Câmara Uruguaio-Brasileira, em Punta del Este

Mujica: devemos demonstrar benefícios da integração
Mujica: devemos demonstrar benefícios da integração (Foto: Walter Paciello)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Renata Giraldi*
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Em um encontro com empresário brasileiros e uruguaios, o presidente do Uruguai, José Pepe Mujica, disse ontem (23) que o caminho para avançar é o da integração mútua. Segundo Mujica, a integração é a alternativa, por exemplo, para o momento atual, que ele julga, de paralisia do Mercosul. Ele ressaltou que os avanços econômicos estão associados aos sociais e às conquistas que a América Latina têm obtido.

"O Uruguai deve fazer uma experiência com o governo brasileiro, considerando que o Mercosul está paralisado, demonstrando ao resto da América Latina que a integração verdadeira gera benefícios mútuos", ressaltou Mujica durante reunião de empresários da Câmara Uruguaio-Brasileira, em Punta del Este. "Não somos perfeitos, mas no contexto de América Latina, este [o Uruguai] é um país profundamente honesto, que demonstrou cumprir com suas obrigações", disse ele, lembrando que a América Latina avança nas áreas econômica e sociais.

Mujica defendeu a busca por parcerias que levem à construção de um espaço econômico sólido e eficiente. "A integração federal, aberta, leva à construção de um sólido espaço econômico, que será uma ferramenta de autodefesa para as gerações que vão vir. Por isso a resposta está na associação e corporação", destacou.

No discurso, o presidente acrescentou que o Brasil é um país de caráter continental que deve assumir uma posição de liderança. "É a época de construir um sistema de empresas transnacionais latino-americanas que devem ser comandadas pelo Brasil que deve buscar sócios em uma relação de ganhos e não [com o objetivo] de colonização", disse.

"Nós planejamos isso para que a Argentina e o resto da América Latina ganhem coragem e partam para suas realizações, [e não fiquem apenas nos] acordos diplomáticos, na tentativa de obter a integração real", disse o presidente. "É necessário vender um serviço competitivo que contribua para baixar custos em toda a região", lembrando que não se pode ser ingênuo, pois há vários interesses envolvidos.

*Com informações da Presidência da República do Uruguai

Edição: Lílian Beraldo

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247