CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Murdoch grampeou primo de brasileiro Jean Charles

Alexandre Pereira, primo do brasileiro morto pela polcia inglesa, em 2005, sofreu escuta ilegal do extinto News of the World, de Rupert Murdoch; magnata ter de explicar no parlamento britnico at onde foram suas ilegalidades

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Detetives disseram que um primo do brasileiro Jean Charles de Menezes, morto a tiros no metrô de Londres, em 2005, tinha seu número de telefone registrado entre os documentos do investigador privado do tabloide News of the World, no centro do escândalo de grampos que acabou com o jornal. A informação foi divulgada hoje pelo Guardian em seu site.

O Guardian afirmou que parentes e partidários de Jean Charles temem que o caso do brasileiro também tenha sido alvo do investigador Glenn Mulcaire. Segundo o jornal, uma porta-voz da campanha Justice4Jean disse que havia sido informada de que a lista de telefones de Mulcaire incluía o número de Alex Pereira, primo de Jean Charles.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A porta-voz informou que a família Menezes lamentou ter sido vítima de grampos ilegais em um momento de vulnerabilidade. Também questionou o fato de a polícia não ter informado sobre o aparente grampo antes, e ainda disse que a família teme que a polícia pudesse estar tentando encobrir mais algum erro no caso.

Jean Charles foi morto em uma estação do metrô em 22 de julho de 2005 pela polícia londrina, após ser confundido com um suposto terrorista, durante as investigações dos atentados de 7 de julho daquele ano na capital da Grã-Bretanha.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A família do mineiro escreveu ao primeiro-ministro David Cameron pedindo que as investigações dos grampos busquem determinar se a Scotland Yard vazou informações no caso, seja para obter dinheiro ou para salvar a reputação da polícia londrina.

O News of the World circulou pela última vez no domingo, após 168 anos, depois de surgirem mais denúncias sobre grampos, inclusive de uma jovem de 13 anos sequestrada e posteriormente assassinada. A News Corp, de Rupert Murdoch, era a proprietária do tabloide. Na semana que vem, será lembrado o sexto ano da morte de Jean Charles.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

As conversas de Pereira, que ainda mora em Londres, foram encontradas entre os documentos de Glenn Mulcaire, investigador particular que foi preso por escuta ilegal em 2007. Em 2005, o eletricista Jean Charles de Menezes foi assassinado pela polícia britânica na estação de Stockwell. As investigações foram concluídas sem que ninguém fosse punido.

Hoje, Murdoch, e seu filho James Murdoch, diretor da News Corp para Europa e Ásia serão hoje convidados formalmente a falar a um comitê parlamentar do Reino Unido, para responder a questões em torno das acusações de que um tabloide do conglomerado de mídia, o News of the World, grampeava ilegalmente telefones de políticos e personalidades.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O presidente do Comitê de Cultura, Mídia e Esporte do Parlamento John Whittingdale, disse hoje que as convocações devem ser entregues em breve à dupla. Eles declinaram o convite inicial, para comparecerem na Casa na próxima terça-feira. Nesta data, apenas a executiva chefe da News International, Rebekah Brooks, concordou em falar ao comitê.

Em carta, Rupert Murdoch disse que não poderá comparecer na próxima terça-feira, mas garantiu estar "totalmente preparado" para entregar evidências na investigação do caso, que deve ser iniciada em breve por um magistrado. Em carta separada, James Murdoch também disse que não irá comparecer na terça-feira, porém ofereceu as datas de 10 ou 11 de agosto para falar ao comitê.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Os dois membros da família Murdoch não são cidadãos britânicos, portanto o comitê não tem o poder de obrigá-los a comparecer. Uma recusa a cooperar, porém, seria malvista por todos os partidos, que se uniram nos últimos dias contra as táticas de reportagem aparentemente usadas por alguns dos veículos da News Corp.

Brooks terá de responder formalmente a questões sobre seu papel no escândalo de grampos, que ocorreriam enquanto ela era editora do News of the World. O tabloide deixou de circular no domingo, em decorrência do escândalo.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A jornalista e executiva já disse a colegas da News International que não sabia de nada sobre os grampos e que realizará uma investigação interna abrangente das acusações. Também recebeu total apoio de Rupert Murdoch, apesar dos pedidos populares e de políticos pela demissão dela por causa do escândalo.

A News International é o braço empresarial da News Corp que controla a publicação dos jornais do grupo no Reino Unido. A News Corp é proprietária do Wall Street Journal e também da agência Dow Jones.

Escândalo leva mais um à prisão

247, com agências internacionais - As acusações de grampos contra o News of the World levou à prisão de mais uma pessoa nesta quinta-feira. O ex-diretor executivo do tabloide, Neil Wallis, foi detido em sua casa, em Londres, acusado de estar envolvido nas escutas telefônicas ilegais feitas pelo jornal inglês. Wallis ocupava o cargo de subdiretor do jornal em 2003, quando trabalhava com o ex-diretor Andy Coulson, porta-voz do primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, até janeiro deste ano, e também preso por envolvimento nos grampos.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO