Museu do Holocausto confirma que nazismo é de direita e faz Bolsonaro dar vexame em Israel

Enquanto recebia a visita do presidente Jair Bolsonaro, o Museu do Holocausto traz em site um histórico que atesta o óbvio, comprovado e reiterado historicamente: o Nazismo, que matou seis milhões de judeus, foi um movimento de extrema-direita, surgido em meio aos reflexos do Tratado de Versailles e à resistência à "crescente ameaça do Comunismo"; Bolsonaro, no entanto, ignorou a história e repetiu o que disse seu chanceler, Ernesto Araújo, que o nazismo foi um movimento de esquerda, usando como única justificativa o nome do partido de Adolf Hitler

Museu do Holocausto confirma que nazismo é de direita e faz Bolsonaro dar vexame em Israel
Museu do Holocausto confirma que nazismo é de direita e faz Bolsonaro dar vexame em Israel

247 - O presidente Jair Bolsonaro visitou nesta terça-feira (2) o centro de memória do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém, museu público israelense que lembra as vítimas e aqueles que combateram o genocídio de seis milhões de judeus pelos nazistas.

Em seu site, a instituição traz um breve histórico sobre a ascensão do partido nazista na Alemanha entre guerras.

Bolsonaro visitou a exposição Flashes of Memory – Fotografia durante o Holocausto. Ele também depositou flores em homenagem às vítimas do nazismo e assinou o livro de honra do memorial.

Ao abordar a situação alemã após o Tratado de Versailles, que selou a paz entre as principais potências europeias após a Primeira Guerra, o museu explica que havia um clima de frustração que, "junto a intransigente resistência e alertas sobre a crescente ameaça do Comunismo, criou solo fértil para o crescimento de grupos radicais de direita na Alemanha, gerando entidades como o Partido Nazista".

Leia reportagem da Reuters sobre o assunto:

Não há dúvida de que nazismo foi movimento de esquerda, diz Bolsonaro em Israel

O presidente Jair Bolsonaro fez nesta terça-feira eco às declarações do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, ao afirmar que "não há dúvida" de que o nazismo foi um movimento de esquerda, durante entrevista a jornalistas em Israel.

Para embasar seu argumento, o presidente procurou lembrar o nome oficial do Partido Nazista.

"Não há dúvida, né? Partido Socialista, como é que é?", respondeu Bolsonaro quando indagado por um repórter se concordava com a declaração de Araújo, dada recentemente e posteriormente reiterada, de que o nazismo, que governou a Alemanha de 1933 a 1945, quando o país foi derrotado na Segunda Guerra Mundial, era um movimento de esquerda.

"Partido Nacional Socialista da Alemanha", completou o presidente ao ser lembrado do que seria o nome oficial do partido nazista, de Adolf Hitler. Na verdade, o nome completo era Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães.

Um dos compromissos de Bolsonaro em sua visita a Israel foi uma visita ao Yad Vashem, o museu mundial do Holocausto, quando 6 milhões de judeus foram assassinados pela Alemanha nazista de Hitler. O site do museu traz a história do Holocausto e a ascensão do nazismo da Alemanha. De acordo com o site, o Partido Nazista teve origem em grupos radicais de direita.

"Hitler e o Partido Nazista chegaram ao poder devido a circunstâncias sociais e políticas que caracterizaram o período entre-guerras na Alemanha. Muitos alemães não podiam admitir a derrota de seu país na Primeira Guerra Mundial, argumentando que 'traições' e a fragilidade na retaguarda paralisaram e, eventualmente, causaram o colapso na frente de batalha", afirma o museu em seu site em um texto em inglês.

"Essa frustração, junto com a resistência intransigente e alertas sobre a crescente ameaça do comunismo, criou solo fértil para o crescimento de grupos radicais de direita na Alemanha, gerando entidades como o Partido Nazista."

O texto do Yad Vashem sobre o surgimento do nazismo na Alemanha pode ser visto no endereço here.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247