'Não, obrigado!': Trump rebate tom conciliador de chanceler do Irã e exclui fim das sanções

Os Estados Unidos não irão suspender as sanções impostas ao Irã para reiniciar negociações, escreveu o presidente dos EUA, Donald Trump, no Twitter

Trump insiste na deportação de imigrantes
Trump insiste na deportação de imigrantes
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Os Estados Unidos não irão suspender as sanções impostas ao Irã para reiniciar negociações, escreveu o presidente dos EUA, Donald Trump, no Twitter. Anteriormente, chanceler iraniano havia declarado que seu país estava disposto a negociar.

No sábado (25), o presidente dos EUA, Donald Trump, descartou a possibilidade de os EUA suspenderem sanções contra o Irã para que o diálogo entre os países seja retomado.

​O ministro das Relações Exteriores iraniano diz que quer negociar com os EUA, mas quer a suspensão das sanções. Não, obrigado!

Posteriormente, Donald Trump publicou o mesmo tweet em persa, reportou a Reuters. 

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, respondeu à postagem neste domingo (26), reafirmando que o Irã estaria preparado para negociar, caso as sanções fossem suspensas. Zarif retweetou trechos de sua recente entrevista concedida ao jornal alemão Der Spiegel.

"Donald Trump, é melhor você basear seus comentários e decisões de política externa em fatos, e não em manchetes do Fox News ou nas suas traduções para persa", postou Zarif.

Neste sábado (25), o jornal alemão Der Spiegel publicou entrevista com Javad Zarif, na qual o chanceler iraniano adota tom conciliador em relação aos Estados Unidos.

"O governo Trump pode corrigir o seu passado, suspender as sanções e retornar à mesa de negociações. Ainda estamos na mesa de negociações. Foram eles que partiram", declarou Zarif durante a entrevista.

© REUTERS / ALASDAIR PALMinistro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, conversa com repórteres durante sua visita à Índia, em 15 de janeiro de 2020

Tensões entre os EUA e o Irã atingiram ponto mais crítico em anos, após o general iraniano Qassem Soleimani ter sido assassinado por operação especial dos EUA no Iraque, em 3 de janeiro. Em resposta, o Irã realizou uma série de ataques a bases no Iraque, onde estavam instaladas tropas dos EUA.

A relação bilateral deteriorou-se significativamente desde que o presidente Donald Trump se retirou unilateralmente do acordo nuclear iraniano, em 2018, e reimpôs sanções econômicas contra o país persa.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247