Negro, vice-presidente da Versace mostra abordagem policial nos EUA por estar com sacola da marca de luxo

"Estou em Beverly Hills sendo revistado por comprar em uma loja da marca para qual trabalho", afirmou Salehe Bembury durante a abordagem

Salehe Bembury sendo abordado por policiais
Salehe Bembury sendo abordado por policiais (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Portal Forum - O vice-presidente de tênis e calçados masculinos da Versace, Salehe Bembury, foi abordado por policiais brancos enquanto fazia compras em uma loja da marca na Califórnia, nos Estados Unidos. Ele divulgou dois vídeos mostrando a abordagem em suas redes sociais, na última sexta-feira (2) e neste domingo (4).

“Em Beverly Hills enquanto negro. Estou bem. Meu espírito, não”, escreveu em publicação no Instagram. No vídeo, ele aparece narrando o ocorrido enquanto filma o rosto dos policiais. “Estou em Beverly Hills sendo revistado por comprar em uma loja da marca para qual trabalho porque sou negro”, declara Bembury.

“Você está criando uma narrativa completamente diferente”, respondeu o policial na sequência. “Vocês verificaram meus documentos. Tudo certo? Então posso ir embora”, continuou o vice-presidente.

Ao tomar conhecimento do caso, Donatella Versace, atual vice-presidente do Grupo Versace, compartilhou o vídeo em seu Instagram e declarou: “Estou chocada que isso tenha acontecido com Salehe Bembury hoje. Ele é consultor da Versace há muito tempo e o que ele viveu é totalmente inaceitável. Ele foi parado na rua apenas pela cor de sua pele. Força @salehebembury. Enviando amor e apoio”.


 


O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247