NYT declara apoio a Biden na eleição dos EUA

Em editorial intitulado "Eleja Joe Biden, América", o The New York Times, jornal mais influente do mundo, declarou apoio ao candidato do Partido Democrata à presidência dos EUA, Joe Biden. "Biden não é um purista ideológico ou um atirador de bombas", disse o periódico, que esteve em conflito com Donald Trump

Joe Biden e Donald Trump
Joe Biden e Donald Trump (Foto: Reuters | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O The New York Times, jornal mais influente do mundo e que esteve em conflito com Donald Trump desde o início do mandato do republicano, declarou em editorial apoio ao candidato do Partido Democrata, Joe Biden. De acordo com o periódico, "Sr. Biden não é um candidato perfeito e ele não seria um presidente perfeito. Mas a política não é perfeição. É sobre a arte do possível e sobre encorajar a América a abraçar seus melhores anjos". 

"O Sr. Biden tem a capacidade necessária, tendo passado grande parte de sua carreira focado em questões globais", continua. "Biden não é um purista ideológico ou um atirador de bombas".

Leia a íntegra do editorial:

Joe Biden prometeu ser um presidente de todos os americanos, mesmo daqueles que não o apoiam. Em eleições anteriores, tal promessa pode ter soado banal ou traiçoeira. Hoje, a ideia de que o presidente deve ter os interesses de toda a nação no coração parece quase revolucionária.

O Sr. Biden também prometeu “restaurar a alma da América”. É um doloroso lembrete de que o país está mais fraco, com mais raiva, menos esperançoso e mais dividido do que há quatro anos. Com essa promessa, Biden está garantindo ao público que reconhece a magnitude do que o próximo presidente está sendo chamado a fazer. Felizmente, ele está bem preparado para o desafio - talvez especialmente.

Em meio a um caos implacável, Biden está oferecendo a uma nação ansiosa e exausta algo além de política ou ideologia. Sua campanha está enraizada na firmeza, experiência, compaixão e decência.

Um presidente Biden abraçaria o Estado de Direito e restauraria a confiança do público nas instituições democráticas. Ele retribuiria o respeito pela ciência e perícia ao governo. Ele abasteceria sua administração com indivíduos competentes, qualificados e com princípios. Ele estaria ao lado dos aliados da América e contra os adversários que procuram minar nossa democracia. Ele trabalharia para lidar com as injustiças sistêmicas. Ele não cortejaria autocratas estrangeiros nem daria conforto aos supremacistas brancos. Seu foco seria curar divisões e reunir a nação em torno de valores compartilhados. Ele entenderia que seu primeiro dever, sempre, é para com o povo americano.

Mas Biden é mais do que simplesmente uma mão firme no volante. Sua mensagem de unidade e pragmatismo repercutiu nos eleitores democratas, que compareceram em grande número para elevá-lo acima de um campo primário extenso.

Sua equipe montou uma agenda ousada com o objetivo de resolver alguns dos problemas mais urgentes da América. O ex-vice-presidente está empenhado em trabalhar para o atendimento universal de saúde por meio de medidas como adicionar uma opção pública ao Affordable Care Act - que ele teve um papel significativo na aprovação - reduzindo a idade de elegibilidade para o Medicare para 60 anos e cortando o custo de medicamentos prescritos. Ele reconhece a ameaça fatídica da mudança climática e apresentou um plano ambicioso de US $ 2 trilhões para reduzir as emissões de carbono, investir em uma economia verde e combater o racismo ambiental.

Biden não se transformará em um maximalista ideológico tão cedo, mas reconheceu que a atual trifeta de crises - uma pandemia letal, um colapso econômico e agitação racial - exige uma visão de governo ampliada. Sua campanha tem alcançado uma ampla gama de pensadores, incluindo ex-rivais, para ajudar a criar soluções mais dinâmicas. No meio do verão, ele lançou um plano de recuperação econômica, apelidado de “Build Back Better”, com propostas para apoiar a manufatura americana, estimular a inovação, construir uma “economia de energia limpa”, promover a igualdade racial e apoiar cuidadores e educadores. Seu plano para combater o coronavírus inclui a criação de um corpo de empregos de saúde pública. Os progressistas que querem ainda mais dele não devem ter medo de empurrar. Experiência não é o mesmo que estagnação.

O Sr. Biden tem um longo e distinto histórico de realizações, incluindo, como senador, patrocinar o marco da Violence Against Women Act de 1994 e, como vice-presidente, supervisionar a American Recovery and Reinvestment Act de 2009, aprovado em resposta à Grande Recessão. Em uma entrevista de 2012 no "Meet the Press", seus comentários em apoio ao casamento gay - que surpreendeu a Casa Branca de Obama e causou confusão pública - provaram ser um divisor de águas para a causa da igualdade. Em 1996, Biden votou como senador a favor da Lei de Defesa do Casamento, que proibia o reconhecimento federal de casamentos entre pessoas do mesmo sexo, tornando sua evolução no assunto particularmente ressonante.

Ele tem uma compreensão e experiência extraordinariamente rica em política externa, que, como tradicionalmente entendida, não desempenhou um papel central na corrida presidencial - embora a pandemia, a crise climática, uma China mais assertiva e guerras de desinformação contra o público americano argumentem fortemente que deveria. O próximo presidente enfrentará a tarefa de reparar o enorme dano infligido à reputação global da América.

O Sr. Biden tem a capacidade necessária, tendo passado grande parte de sua carreira focado em questões globais. Ele não apenas assumiu missões diplomáticas espinhosas como vice-presidente, mas também serviu por mais de três décadas no Comitê de Relações Exteriores do Senado. Ciente de que uma abordagem “America First” na realidade equivale a “America only”, ele trabalharia para reviver e reformar alianças danificadas. Ele tem o respeito e a confiança dos aliados da América e não seria feito de tolo por seus adversários.

Certamente, nem todas as decisões de política externa de Biden ao longo das décadas parecem sábias em retrospectiva, mas ele demonstrou visão em momentos importantes. Ele lutou em uma ação de retaguarda na Casa Branca de Obama para limitar o aumento inútil no Afeganistão. Ele era contra a intervenção de 2011 na Líbia e cético quanto ao envio de tropas americanas para a Síria. Ele se opôs à renovação da Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira em 2007 e 2008 porque deu ao governo muito poder para espionar os americanos. Ele apoiou o fechamento da prisão na Baía de Guantánamo. Não é de admirar que ele tenha o apoio de um quem é quem da comunidade de política externa e de funcionários de segurança nacional de ambas as partes.

Biden não é um purista ideológico ou um atirador de bombas. Alguns verão isso como uma deficiência ou uma ingenuidade irremediável. Certamente, é improvável que, se os republicanos mantiverem o controle do Senado, seu líder, Mitch McConnell, abandone sua política de obstrucionismo fanático a qualquer presidente democrata.

Dito isso, como o emissário frequentemente despachado pelo presidente Barack Obama para lidar com legisladores republicanos durante duras lutas legislativas, Biden tem uma experiência íntima com o congestionamento partidário que paralisa o Congresso. Ele sabe como as alavancas de poder funcionam nas duas pontas da Avenida Pensilvânia e tem relacionamentos de longa data com membros de ambos os partidos. Mais do que qualquer outro candidato à presidência deste ciclo, ele ofereceu aos eleitores cansados ​​a chance de ver se até mesmo um mínimo de bipartidarismo é possível.

Ele também está oferecendo um vislumbre do futuro do Partido Democrata ao escolher sua candidata, a senadora Kamala Harris, da Califórnia. A Sra. Harris se tornaria uma série de primeiros - uma mulher, uma pessoa negra e uma asiático-americana - como vice-presidente, adicionando uma emoção histórica à chapa. Ex-promotora, ela é dura, inteligente e pode desmontar um argumento falho ou um oponente político. Ela é progressista, mas não radical. Em sua própria campanha presidencial, ela se apresentou como uma líder unificadora com propostas de política de centro-esquerda em um molde semelhante ao de Biden, embora uma geração mais jovem. Biden está ciente de que não se qualifica mais como um rosto novo e disse que se considera uma ponte para a próxima geração de líderes do partido. A Sra. Harris é um passo promissor nessa direção.

Se ele ganhar a eleição, Biden precisará levar sua agenda de governo ao povo - a todas as pessoas, não apenas às vozes mais altas ou online de seu partido. Isso exigirá persuadir os americanos de que ele entende suas preocupações e pode traduzir esse entendimento em políticas sólidas.

O Sr. Biden tem um raro dom para forjar tais conexões. Em sua juventude, ele, como tantos senadores, podia se apaixonar pelo som de sua própria voz. O tempo e a perda suavizaram suas arestas. Ele fala a linguagem do sofrimento e da compaixão com uma intimidade crua. As pessoas respondem a isso, cruzando as linhas de raça e classe - ainda mais nesta época de incerteza. O pai da vítima de tiro policial, Jacob Blake, descreveu sua conversa por telefone com o Sr. Biden como cheia de "amor, admiração, carinho", em um dos muitos exemplos recentes da empatia suada do ex-vice-presidente.

O Sr. Biden sabe que não existem respostas fáceis. Ele tem experiência, temperamento e caráter para guiar a nação por este vale em direção a um futuro mais brilhante e promissor. Ele tem o nosso endosso para a presidência.

Quando vão às urnas este ano, os eleitores não estão apenas escolhendo um líder. Eles estão decidindo o que a América será. Eles estão decidindo se favorecem o Estado de Direito, como o governo os ajudará a enfrentar a maior calamidade econômica em gerações, se querem que o governo permita que todos tenham acesso a cuidados de saúde, se consideram o aquecimento global uma ameaça séria, se eles acreditam que o racismo deve ser tratado como um problema de política pública.

O Sr. Biden não é um candidato perfeito e ele não seria um presidente perfeito. Mas a política não é perfeição. É sobre a arte do possível e sobre encorajar a América a abraçar seus melhores anjos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247