CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

O passado nazista da Renault

Netos do fabricante francs lutam na Justia para limpar o nome de Louis Renault, acusado de colaborao com o Terceiro Reich

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - No dia 13 julho de 2010, o Tribunal de Recursos de Limoges, acionado pelos sete netos de Louis Renault, condenou o Centro de memória de Oradour-sur-Glane(Haute-Vienne) a retirar de sua exposição permanente (desde 1999) uma imagem do empresário com Hitler e Göring, no salão do automóvel em Berlim, em fevereiro de 1939. A foto mostra um Juvaquatre com a legenda: « Louis Renault apresenta um protótipo a Hitler e Göring, em Berlim 1938 [...] Louis Renault fabrica tanques para a Wehrmacht (exército alemão durante Segunda Guerra mundial). Renault vai ser nacionalizada após a Libertação ».

Quase 70 anos após sua morte na prisão de Fresnes, na França, seus netos tentam salvar sua reputação e recuperar a independência da companhia do Estado. « No colégio, eu aprendi que eu era a neta de um colaborador dos nazistas. Era insuportável, mas eu não tinha provas do contrário ", disse Hélène Renault-Dingli.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Como todas as grandes fabricantes da França - Citroën, Peugeot e Berliet - a Renault produziu veículos para o Terceiro Reich. O que é contestado, no entanto, é a forma diferente que a empresa foi tratada depois da Libertação. A Citroën e a Peugeot não foram nacionalizadas após a guerra e a Berliet ganhou de volta o seu estatuto de entidade privada. Além disso, de todas as empresas nacionalizadas entre 1944-1948, apenas a Renault não foi indenizada.

No início da Segunda Guerra Mundial, em 1939, a Renault era o maior grupo industrial da França, com mais de 40 mil funcionários. Embora ninguém tenha provas de que Louis Renalt era partidário a ideologia nazista, não há nenhum sinal igualmente de sua colaboração com a resistência do general De Gaulle.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Os netos do fabricante se aproveitaram de uma nova lei que permite aos franceses contestar a constitucionalidade das ações do governo nos tribunais para rever a punição a Renault. Se vencerem, eles podem receber mais de 100 milhões de euros do Estado.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO