O que Aloysio Nunes foi discutir com o "chefe"?

Reportagem da Agência Sputinik especula o que Aloysio Nunes, chanceler do governo de Michel Temer, foi discutir com o secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson: se formas de derrubar o governo venezuelano ou de conter o crescimento chinês na América Latina; desde o golpe parlamentar de 2016, o Brasil abriu mão de uma política externa altiva e independente e passou a orbitar em torno dos Estados Unidos

Aloysio Nunes e Rex Tillerson
Aloysio Nunes e Rex Tillerson (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Sputinik

Pela segunda vez, um chanceler brasileiro esteve reunido com o secretário de Estado dos Estados Unidos Rex Tillerson. Antes do encontro entre Tillerson e Aloysio Nunes Ferreira nesta sexta-feira (2), o ex-chanceler José Serra também teve uma reunião com o diplomata estadunidense. Mas, qual o significado do último encontro?

Como os políticos não concederam uma entrevista coletiva e os órgãos governamentais divulgaram apenas notas protocolares sobre o evento, não há muita clareza sobre as pautas discutidas. Os pontos destacados pelo Itamaraty e pelo Departamento de Estado dos EUA citam agenda bilateral e economia. A delicada situação da Venezuela — que enfrenta uma série de protestos que já deixaram dezenas de mortos — também foi discutida, segundo a nota do Departamento de Estado. A nota do Itamaraty, entretanto, não aborda a situação de Caracas.

Logo após a foto oficial, Tillerson respondeu uma pergunta fora dos microfones e afirmou que os Estados Unidos irão diminuir suas emissões de gases do efeito estufa mesmo não fazendo mais parte do Acordo de Paris. Não houve mais contato com a imprensa.

O ministro das Relações Exteriores brasileiro já estava na capital estadunidense para participar da reunião extraordinária da Organização dos Estados Americanos (OEA) marcada para discutir a crise venezuelana. Apesar do encontro, não houve consenso e o grupo não conseguiu sequer emitir uma nota. Há uma outra reunião da OEA agendada para o dia 19 de junho, no México.

Comércio exterior

Para a professora da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) Juliana Inhasz, o objetivo do encontro entre Tillerson e Ferreira está mais ligado à economia. A professora afirma que os EUA estão buscando barrar o crescimento chinês na região.

"A China tomou uma participação muito grande entre os parceiros comerciais brasileiros, é óbvio que ainda temos os Estados Unidos como um importante parceiro comercial para nossas exportações, mas a China aumentou demais sua participação nos últimos anos."

Inhasz afirma que o Brasil é um país estratégico para barrar o crescimento chinês na América Latina pelo seu tamanho e economia.

Estados Unidos e China disputam de maneira muito parelha quem vende mais para o Brasil. Em 2016, Washington levou a melhor e vendeu para o mercado brasileiro um total de R$ 23,8 bilhões, enquanto Pequim atingiu a cifra de R$ 23,36 bilhões. Quando o assunto são as exportações brasileiras, todavia, o quadro muda de figura: a China está isolada na liderança como o maior destino dos produtos brasileiras. Em 2016, o Brasil exportou US$ 35,13 bilhões para a China, 19% de todo o volume de exportações. Já os Estados Unidos ficou com R$ 23,15 bilhões em exportações brasileiras.

A professora da FECAP Juliana Inhasz destaca que ainda não está claro quais os termos do encontro entre Tillerson e Ferreira, mas as commodities brasileiras são os produtos que mais podem ganhar, no curto prazo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247