OEA reconhece a 'Guaidó boliviana' e Evo afirma que golpe vem dos EUA

A OEA reconheceu a senadora Jeanine Añez como presidente autoproclamada da Bolívia. EM sua primeira entrevista, Evo Morales, presidente boliviano vítima de golpe de Estado, denunciou a responsabilidade dos Estados Unidos, da Inglaterra, e da Organização dos Estados Americanos (OEA) na escalada de violência que o levou a renunciar.

A senadora boliviana Jeanine Añez se autoproclama presidente da Bolívia
A senadora boliviana Jeanine Añez se autoproclama presidente da Bolívia (Foto: Facebook/Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News

Do Brasil de Fato - Em sua primeira entrevista após a chegada ao asilo político no México, Evo Morales, presidente boliviano vítima de golpe de Estado, denunciou a responsabilidade dos Estados Unidos, da Inglaterra, e da Organização dos Estados Americanos (OEA) na escalada de violência que o levou a renunciar.

Os três atores internacionais citados pelo boliviano foram os primeiros a reconhecer a autoproclamação da senadora Jeanine Áñez como presidenta do país.

"Não aceitam um índio presidente, nossas politicas sociais e econômicas de nacionalização dos recursos. Não aceitam que nós indígenas sejamos anti-imperialistas e anticolonialistas", declarou

PUBLICIDADE

Morales denunciou novamente a conduta violenta da oposição, direcionada contra a população mais pobre e de traços indígenas. Ele citou invasões a residências de parlamentares, incêndios em órgãos públicos e entidades ligadas a seu partido e amaças de queimar pessoas ligadas a ele.

"Usaram a bíblia e Jesus Cristo para conspirar contra o povo, fazem orações e saem me xingando com palavrões. Usam orações para fazer o povo odiar, a bíblia para discriminar e odiar indígenas, as mulheres que andam com pollera [saia típica das cholitas] pelo país", asseverou.

"Esta classe de governo está sendo reconhecida pelos Estados Unidos, pela Inglaterra e a OEA", lamentou Evo.

PUBLICIDADE

No metan bala! 

O presidente da Bolívia desde 2006 também voltou a fazer um apelo pelo fim da violência no país. Segundo ele, antes de sua renuncia, apesar da conduta violenta da oposição, suas ordens à polícia e às forças armadas eram de não reprimir com violência os atos.

Morales reafirmou que sua renúncia foi um movimento para salvar a própria vida, mas também para que não houvessem outros mortos no país. "Não atirem nas pessoas", suplicou às forças armadas.

PUBLICIDADE

"Não comprei aviões, helicópteros para que metessem bala no povo. O que esta acontecendo com os comandantes da polícia e das forças armadas? Perderam o sentido de solidariedade? De vida? Nos meus 13 anos de governo nunca tive esse problema."

Evo Morales em sua chegada ao asilo político no México (Foto: Pedro Pardo / AFP)

Chamado ao diálogo

PUBLICIDADE

Evo Morales disse querer voltar em breve ao país e chamou a oposição a um diálogo nacional.

"Quero voltar para minha terra, peço por um diálogo nacional, com instituições, com países acompanhando. Chamo por um acordo para pacificar a Bolívia, a violência. Parem com o massacre."

Ele também afirmou ter feito tudo o que era possível para evitar a escalada da violência após a divulgação do resultado das eleições que o declarou vitorioso em primeiro turno. Morales citou tentativas de diálogo com os partidos da oposição e, inclusive, a convocação de novas eleições.

"No fundo é uma questão de classes. Grupos oligárquicos se organizam para acabar com um movimento que construímos com muita luta, muito esforço e compromisso. Deixamos de ser um país mendigo. Usaram a OEA, a polícia e as forças armadas para massacrar a Bolívia."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email