ONU apresenta relatório sobre impacto da Covid-19 nas pessoas vulneráveis

O secretário-geral da ONU, António Guterres, publica nesta quarta-feira (3) um relatório focado no impacto da Covid-19 sobre as pessoas desalojadas e que já viviam situações vulneráveis ​​antes da pandemia

António Guterrez, Secretário-geral da ONU  
António Guterrez, Secretário-geral da ONU   (Foto: UN Photo / Jean-Marc Ferré)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ONU está preocupada com as diferentes  maneiras pelas quais a pandemia afeta pessoas em todo o mundo, disse seu porta-voz, Stéphane Dujarric, ao anunciar a apresentação do relatório do secretário-geral Antonio Guterres.
Em várias ocasiões, o secretário-geral alertou sobre como as pessoas mais vulneráveis ​​- mulheres e crianças, pessoas com deficiência, pessoas marginalizadas e desalojadas - pagam o preço mais alto pela doença letal e estão mais expostas a perdas devastadoras provocadas pela Covid-19, informa a Prensa Latina.

Refugiados e outros deslocados por conflitos violentos são duplamente vulneráveis ​​e, em países devastados pela guerra, os sistemas de saúde entraram em colapso, disse Guterres em seu apelo por um cessar-fogo global diante da pandemia.

No início da expansão global do novo coronavírus, a ONU estabeleceu um Plano Global de Resposta Humanitária de US $ 2 bilhões para as populações mais vulneráveis, incluindo refugiados e pessoas deslocadas internamente.

Enquanto isso, o especialista independente da ONU, Felipe González, alertou que muitos migrantes e solicitantes de asilo não podem acessar proteções mínimas contra o contágio e nem sequer têm água limpa para lavar as mãos.

Diante dessa situação, ele ressaltou, os países  devem adotar medidas para regularizar os indocumentados e permitir o acesso aos serviços de saúde,

Eles também devem tomar medidas urgentes para proteger os migrantes e vítimas do tráfico de pessoas, disse o relator especial sobre direitos humanos.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), as crianças deslocadas estão entre as que têm acesso mais limitado à prevenção, testes, tratamento e outros apoios essenciais no combate à Covid-19.

Além disso, a agência da ONU indica que algumas medidas para conter a pandemia provavelmente terão consequências negativas para a segurança e a educação dos menores.

A Unicef ​​destaca que milhões de crianças em todo o mundo foram expulsas de suas casas e forçadas a atravessar as fronteiras de seus países devido a conflitos, violência e outras situações de risco, o que as deixa mais expostas ao contágio.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email