ONU estima que 800.000 pessoas podem deixar o Sudão devido ao conflito em curso no país

Desde o dia 15 de abril, o Sudão é palco de confrontos entre as Forças Armadas Sudanesas e um grupo paramilitar

Combates no Sudão. Foto: Reuters
Combates no Sudão. Foto: Reuters (Foto: Reuters)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Sputnik - Mais de 800.000 pessoas podem fugir do Sudão para os Estados vizinhos devido ao conflito neste país africano, informou o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Filippo Grandi.

"O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, juntamente com governos e parceiros, está se preparando para o fato de que mais de 800.000 pessoas possam fugir para os países vizinhos devido aos combates no Sudão", escreveu Grandi em sua conta no Twitter.

continua após o anúncio

O ACNUR, com governos e parceiros, está se preparando para a possibilidade de que mais de 800.000 pessoas possam fugir dos combates no Sudão para os países vizinhos. Esperamos que não chegue a isso, mas se a violência não parar veremos mais pessoas forçadas a fugir do Sudão em busca de segurança

Na semana passada, o alto comissário informou que até 100.000 sudaneses poderiam fugir para o Chade e 45.000 para o Sudão do Sul devido aos combates em curso no país.

continua após o anúncio

Desde o dia 15 de abril, o Sudão é palco de confrontos entre as Forças Armadas Sudanesas, comandadas pelo general Abdel Fattah Burhan, presidente do Conselho Soberano de Transição do Sudão, e as Forças de Apoio Rápido do Sudão, grupo paramilitar que obedece às ordens do general Mohamed Hamdan Dagalo.

No domingo (30), as Forças de Apoio Rápido anunciaram uma nova extensão de 72 horas da trégua humanitária que terminaria no mesmo dia.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247