ONU faz apelo urgente para evitar fome na América Latina e Caribe

A suspensão das aulas pela pandemia de covid-19 representou interromper a alimentação de 85 milhões de estudantes da América Latina e Caribe, que estão hoje em perigo de fome, advertiu as Nações Unidas

(Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Prensa Latina - O Programa Mundial de Alimentos (PMA) que a merenda escolar representava para muitas crianças 'sua única comida do dia', e disse que os governos devem encontrar alternativas que permitam proteger da escassez alimentar para as crianças e famílias pobres.

Uma nota assinada por Miguel Barreto, diretor regional do PMA, reconheceu que autoridades de vários países distribuem alimentos através das escolas ou a domicílio, onde incluem arroz, feijão, óleo e farinha de milho, em um programa social adaptado às consequências desta crise sanitária.

O PMA considerou que outros grupos de população vulnerável também precisam dessa assistência e citou adultos idosos, grávidas, lactantes, menores de cinco anos, portadores de HIV e famílias com baixa renda e chamou a agir rapidamente, porque muitas populações seriam empurradas ainda mais para a pobreza e a fome devido à crise.

Barreto explicou que programas sociais desenhados para reduzir a pobreza podem servir de base para responder à situação, como as pensões sociais, subvenções, transferências monetárias ou em espécie, entregas de alimentos e refeitórios populares.

Reconheceu que mais de 200 milhões de pessoas, ou seja um-terço da população da região, estão protegidas, enquanto cerca de 23 países procuraram a via dos mecanismos de assistencialismo criadas e incrementaram as ajudas monetárias para cobrir certas necessidades básicas enquanto as pessoas se encontram em quarentena.

O dirigente do PMA recordou que ainda é necessária cobertura a grupos como os migrantes e os trabalhadores informais, que sofrem atualmente com o desamparo, no meio de 'esta emergência sanitária e seu grande impacto social e econômico', alertou.

'Nos últimos anos, temos trabalhado com governos para que seus programas nacionais se fortaleçam e se adaptem a choques, como desastres naturais e a mudança climática. Vários países que se prepararam para emergências, agora estão ativando seus programas para responder à covid-19', reconheceu.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247