ONU: mortos em conflito na Síria passam de 60 mil

Há 21 meses, a Síria vive em clima de guerra devido à disputa de poder entre aliados do presidente sírio, Bashar Al Assad, e a oposição

ONU: mortos em conflito na Síria passam de 60 mil
ONU: mortos em conflito na Síria passam de 60 mil
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A alta comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU), Navi Pillay, disse hoje (2) que o número de mortos nos conflitos na Síria ultrapassou 60 mil pessoas. Há 21 meses a Síria vive em clima de guerra devido à disputa de poder entre aliados do presidente sírio, Bashar Al Assad, e a oposição.

Segundo Navi Pillay, os dados se referem a um levantamento que considerou sete fontes diferentes de informação. A alta comissária disse que o número exato de mortes desde o início da revolta até novembro de 2012 é de 59.648.

Porém, de acordo com Pillay, com os assassinatos ocorridos em dezembro, o número deve passar de 60 mil. A nova estimativa divulgada pela ONU é superior à estimativa de 45 mil mortos que vinha sendo divulgada pela oposição.

Os conflitos na Síria geraram reações por parte da comunidade internacional. A presidenta Dilma Rousseff apela para o respeito aos direitos humanos e a busca por uma solução negociada, sem ingerência externa.

Paralelamente, o governo de Assad sofre sanções de parte da ONU. Há, ainda, informações que mulheres e crianças também são vítimas da violência no país. Prisões indevidas e torturas são denunciadas.

Com informações da BBC Brasil

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email