Oposição critica OEA por respaldar decisão pró-Chávez

A coalizão de oposição venezuelana MUD (Mesa da Unidade Democrática) argumenta que eleições deveriam ser convocadas em 30 dias, devido ao não comparecimento de Hugo Chávez à cerimônia de posse. "A declaração do secretário-geral da OEA [José Miguel Insulza] é francamente lamentável", disse o secretário-executivo da MUD , Ramón Guillermo Aveledo

Oposição critica OEA por respaldar decisão pró-Chávez
Oposição critica OEA por respaldar decisão pró-Chávez
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Opera Mundi - O secretário-executivo da aliança opositora MUD (Mesa da Unidade Democrática), Ramón Guillermo Aveledo, lamentou nesta sexta-feira (11/01) o respaldo da OEA (Organização dos Estados Americanos) ao adiamento da posse do novo mandato do presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

"A declaração do secretário-geral da OEA [José Miguel Insulza] é francamente lamentável. Ao tomar conhecimento, não pude conter uma profunda decepção. Custo a acreditar que uma pessoa que sofreu com a ditadura e o exílio possa aceitar tão facilmente a versão oficial de um governo", argumentou Aveledo, que deve se encontrar com Insulza na próxima semana.

A coalizão antichavista aguardava um parecer do secretário-geral da OEA sobre a sua interpretação da Constituição venezuelana.

Para a MUD, a data da cerimônia de posse não poderia ser adiada e, como Chávez ainda não retornou de Cuba, onde se recupera da quarta cirurgia contra um câncer, o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, deveria assumir o governo e convocar novas eleições em 30 dias. O Parlamento e a Justiça da Venezuela, no entanto, consideram que o artigo 231 prevê a possibilidade de o juramento do mandatário ser feito perante o Supremo Tribunal, como ficou definido.

Em Santiago, no Chile, Insulza afirmou na noite de ontem que não havia espaço para recursos sobre a interpretação da Constituição venezuelana e que "o processo que acontecerá no país é o que decidiram os três poderes". O representante da OEA ainda afirmou que a entidade só atua quando há conflito entre os poderes de um Estado, o que não ocorre na Venezuela.

Além da OEA, a maioria dos países da América do Sul foi favorável ao adiamento da posse de Chávez, sendo que alguns presidentes, como o da Bolívia, Evo Morales, e do Uruguai, José Mujica, compareceram ontem ao evento de apoio ao colega venezuelano.

O governo do Paraguai, por sua vez, que está suspenso do Mercosul e da Unasul devido ao golpe que destituiu Fernando Lugo em junho de 2012, lamentou a decisão da Venezuela.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email