Oposição síria diz como EUA vendem armas para Daesh

Militantes que dirigem os treinamentos na base americana em Al-Tanf sob chefia de instrutores dos EUA vendem armas para o Daesh, grupo terrorista proibido na Rússia; a declaração foi feita pelo ex-chefe do serviço de segurança do setor sírio da base, Mohammad Assalam; "O apoio clandestino se expressava através de venda de armas para o Daesh. Quando ficamos sabendo disso, nos dirigimos aos americanos, mas eles começaram apoiando ainda mais o comandante que eles escolheram para nos chefiar [o cabecilha de um grupo oposicionista]", disse Assalam


Militantes que dirigem os treinamentos na base americana em Al-Tanf sob chefia de instrutores dos EUA vendem armas para o Daesh, grupo terrorista proibido na Rússia; a declaração foi feita pelo ex-chefe do serviço de segurança do setor sírio da base, Mohammad Assalam; "O apoio clandestino se expressava através de venda de armas para o Daesh. Quando ficamos sabendo disso, nos dirigimos aos americanos, mas eles começaram apoiando ainda mais o comandante que eles escolheram para nos chefiar [o cabecilha de um grupo oposicionista]", disse Assalam
Militantes que dirigem os treinamentos na base americana em Al-Tanf sob chefia de instrutores dos EUA vendem armas para o Daesh, grupo terrorista proibido na Rússia; a declaração foi feita pelo ex-chefe do serviço de segurança do setor sírio da base, Mohammad Assalam; "O apoio clandestino se expressava através de venda de armas para o Daesh. Quando ficamos sabendo disso, nos dirigimos aos americanos, mas eles começaram apoiando ainda mais o comandante que eles escolheram para nos chefiar [o cabecilha de um grupo oposicionista]", disse Assalam (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Sputnik - Militantes que dirigem os treinamentos na base americana em Al-Tanf sob chefia de instrutores dos EUA vendem armas para o Daesh, grupo terrorista proibido na Rússia.

A declaração foi feita pelo ex-chefe do serviço de segurança do setor sírio da base, Mohammad Assalam, à Sputnik.

"O apoio clandestino se expressava através de venda de armas para o Daesh. Quando ficamos sabendo disso, nos dirigimos aos americanos, mas eles começaram apoiando ainda mais o comandante que eles escolheram para nos chefiar [o cabecilha de um grupo oposicionista]. Eles vendiam armas de produção americana, lança-granadas, veículos, fuzis M-16… depois da última revisão foi detectada a falta de 4,7 mil fuzis", contou Assalam.

De acordo com ele, na base de Al-Tanf há muitos sírios que querem combater contra o Daesh, mas também há alguns que também querem lutar contra o exército sírio.

"Eles [militares americanos] pediram que os sírios lutassem contra o exército sírio, mas os homens decentes recusaram, dizendo que o nosso grupo foi formado para combater o Daesh. Por isso, alguns foram enviados para a base de al-Shaddadi para combater o Daesh e depois, provavelmente, eles vão lutar contra as forças governamentais", destacou Assalam.

Falando de apoio à população civil, o ex-chefe do serviço de segurança notou que os militares americanos não prestavam nenhuma atenção aos civis, apesar de os campos de refugiados estarem a menos de 20 km da base de Al-Tanf.

"Não há nem ajuda humanitária nem proteção aos civis", sublinhou Assalam.

Mais cedo, 101 pessoas (41 combatentes terroristas, 19 mulheres e 41 crianças) tinham deixado o território da base de Al-Tanf se dirigindo para uma zona controlada pelas forças governamentais, atualmente eles estão num campo para refugiados nos arredores de Damasco.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247