Parlamento iraniano aprova lei que revitaliza projetos nucleares em reação ao assassinato de cientista nuclear

A lei, denominada "Medida estratégica para a remoção de sanções" também permite a restauração do reator nuclear de Arak, que havia sido reprogramado sob o acordo nuclear

Parlamento iraniano 
Parlamento iraniano  (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik Brasil - O Parlamento iraniano aprovou um projeto de lei, denominado "A medida estratégica para a remoção de sanções", com o objetivo de revitalizar as atividades nucleares do país após o assassinato do físico nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh, informou no domingo (29) a agência de notícias Tasnim.

O cientista, que também era o chefe do centro de inovação do Ministério da Defesa do Irã, morreu em consequência de um ataque de homens armados na sexta-feira (27) na cidade de Absard, região de Teerã, Irã, o que se segue a medidas tais como imposição de sanções dos EUA e assassinato do general Qassem Soleimani em janeiro.

De acordo com a Tasnim, os legisladores atribuíram um status de dupla urgência ao projeto de lei e o ratificaram com uma votação de 232-14 durante uma sessão no domingo (29).

O projeto de lei prevê aumentar o nível de enriquecimento de urânio para 20% ou mais, um tipo considerado de urânio de qualidade militar. No momento, o Irã está enriquecendo o urânio em mais de 4%, enquanto o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês) limitou o nível a 3,67% de pureza.

Além disso, o projeto de lei envolve a restauração do reator nuclear de Arak, que foi programado para ser redesenhado para a produção de radioisótopos de forma a não produzir plutônio de qualidade militar sob o acordo nuclear, e a construção de outro reator.

Outra disposição do projeto de lei prevê que Teerã abandone o cumprimento voluntário do Protocolo Adicional ao acordo de salvaguardas com a Agência Internacional de Energia Atômica.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247