Patriota quer investigação sobre brasileiros mortos na Bolívia

Itamaraty pede apuração sobre a morte de Rafael Max Dias e Jefferson Castro Lima; acusados de assassinato, foram retirados de uma delegacia e queimados vivos

Patriota quer investigação sobre brasileiros mortos na Bolívia
Patriota quer investigação sobre brasileiros mortos na Bolívia (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Luana Lourenço
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O governo brasileiro determinou que a Embaixada do Brasil em La Paz, capital da Bolívia, cobre das autoridades bolivianas a investigação da morte de dois brasileiros mortos na cidade de San Matías, próxima à fronteira com o Mato Grosso.

Rafael Max Dias e Jefferson Castro Lima foram queimados vivos. Os dois eram acusados de triplo assassinato e estavam detidos em uma delegacia da cidade, foram retirados à força do local e assassinados diante de uma multidão.

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores – Itamaraty, diz que o governo brasileiro recebeu a notícia dos assassinatos “com consternação” e que irá tomar medidas para evitar novos casos como esse. Além de cobrar respostas das autoridades bolivianas, o Brasil vai enviar uma missão à cidade onde ocorreram os assassinatos.

“O Consulado-Geral em Santa Cruz de la Sierra foi instruído a organizar visita de agentes consulares e policiais brasileiros à localidade, com vistas a colher informações detalhadas sobre o incidente, acompanhar o início das diligências policiais e prestar assistência consular às famílias das vítimas”.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email