Pepe Escobar: Brasil agiu como colônia no caso dos navios iranianos

Em entrevista à TV 247, o jornalista Pepe Escobar diz que o governo Bolsonaro agiu como "verdadeira colônia" dos EUA na crise do navio iraniano no porto de de Paranaguá; o navio está parado há desde o início de junho no porto, pois a Petrobrás recusa-se a abastecê-lo, contrariando as leis internacionais

(Foto: 247 | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em entrevista à TV 247, o jornalista Pepe Escobar diz que o governo Bolsonaro agiu como "verdadeira colônia" dos EUA na crise do navio iraniano no porto de de Paranaguá e que o País é apenas "mais um peão" no jogo envolvendo China, EUA e Rússia na disputa da guerra comercial. 

 Entenda o caso   

Os navios de bandeira iraniana Bavand e Termeh aguardam o fim de um impasse para saber quando e se conseguirão ser reabastecidos e seguir viagem rumo ao Irã. O navio está parado desde o início de junho no local, pois a Petrobrás recusa-se a abastecê-lo, contrariando as leis internacionais. 

"Brasil é um peão"

Pepe esclarece que a ação de negar combustível foi orquestrada pelo Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John R. Bolton, parte do complexo xadrez da guerra comercial que, segundo ele, “ficará cada vez mais pesada”.   

 O jornalista também abordou em sua análise a questão envolvendo a intensificação do desmatamento da Amazônia e também a respeito da retaliação estadunidense a Glenn Greenwald, responsável por divulgar os áudios secretos da vaza jato.

Inscreva-se na TV 247 e assista: 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email