Polícia reprime com violência protestos no Chile

Jatos de gua e bombas de gs lacrimogneo foram utilizados pelos oficiais contra estudantes que protestavam no centro de Santiago nesta quinta-feira 4

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Forças policiais chilenas reprimiram uma manifestação de estudantes nesta quinta-feira 4 com o uso de bombas de gás lacrimogêneo e jatos de água. Os protestos exigem melhorias no sistema educacional do país e foi contido por cerca de mil oficiais, deslocados para a região central da capital para impedir que a marcha convocada pela Assembleia de Coordenação dos Estudantes do Ensino Médio (Aces, na sigla em espanhol) se realizasse. Fontes afirmaram que os jovens se sentaram para demonstrar a natureza pacífica da manifestação. Porém, alguns estudantes foram presos durante a operação policial.

A marcha é uma das duas programadas para acontecer hoje, um dia antes das entidades estudantis darem uma resposta definitiva sobre uma proposta de reforma educacional entregue pelo governo no início da semana. Estudantes e funcionários do setor educacional do Chile ergueram barricadas em 12 pontos da capital para protestar. Segundo a imprensa local, a polícia chilena está adotando várias medidas para evitar a concentração e a manifestação de qualquer grupo de estudantes em Santiago.

O ministro do Interior, Rodrigo Hinzpeter, afirmou na quarta-feira que qualquer protesto seria considerado "fora da lei". "As marchas se encontram fora da margem da lei, porque não foram autorizadas. Parece-me inconveniente que os movimentos estudantis e o Colégio de Professores se sintam no direito de realizar mobilizações. No Chile, ninguém está sobre a lei", disse Hinzpeter. Há dois meses, as escolas e universidades públicas estão ocupadas e uma ampla mobilização, que chegou a reunir cerca de 400 mil pessoas nas ruas do Chile no final de junho, pedem melhoras na educação.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email