Premiê do Iraque confirma ter recebido carta em que EUA anunciam saída das tropas

A carta recebida nesta terça-feira 7 foi assinada pelo general americano que comanda as tropas no Iraque, mas Washington declarou ter sido enviada por engano. O premiê iraquiano Adel Abdul Mahdi afirmou que irá esperar o esclarecimento de Washington antes de tomar alguma providência

Primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdul Mahdi
Primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdul Mahdi (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O primeiro-ministro do Iraque, Adel Abdul Mahdi, confirmou ter recebido nesta terça-feira 7 uma carta assinada pelo comandante das operações militares americanas no Iraque, William H. Seely, indicando que Washington iria iniciar a operação para retirar as tropas do país, informa a Agência Reuters, reproduzida pela Folha de S.Paulo.

Nesta segunda-feira 6, duas agências de notícias internacionais, Reuters e France Presse, tiveram acesso a essa carta e divulgaram a informação. Logo em seguida, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, negou que o país estivesse planejando a retirada dos militares americanos do Iraque.

"Não houve nenhuma decisão de deixar o Iraque", disse Esper. "Não sei o que é essa carta. Estamos tentando descobrir de onde vem, o que é. Mas não houve nenhuma decisão de deixar o Iraque, ponto final", completou.

O premiê iraquiano afirmou que irá esperar o esclarecimento de Washington antes de tomar alguma providência. A carta, que dizia respeitar a soberania iraquiana, foi emitida depois da decisão do parlamento do país em favor da saída de tropas estrangeiras

A decisão do parlamento só entra em vigor, porém, se o primeiro-ministro confirmar. Mahdi deixou claro que apoia a medida, mas até o momento tem indicado que em vez de expulsar as tropas estrangeiras, prefere negociar com os países uma retirada coordenada.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247