Prisão de jornalista iraniana nos EUA viola liberdade de imprensa

Em comunicado divulgado na quarta-feira (16), a União de Rádios e TVs Islâmicas condenou o "tratamento discriminatório e o assédio" a que foi submetida Marzie Hashemi, apresentadora de TV e documentarista da rede de notícias iraniana em Inglês Press TV, desde que foi presa no último domingo (13) nos Estados Unidos.

Prisão de jornalista iraniana nos EUA viola liberdade de imprensa
Prisão de jornalista iraniana nos EUA viola liberdade de imprensa
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Hispan TV - Em comunicado divulgado na quarta-feira (16), a União de Rádios e TVs Islâmicas condenou o "tratamento discriminatório e o assédio" a que foi submetida Marzie Hashemi, apresentadora de TV e documentarista da rede de notícias iraniana em Inglês Press TV, desde que foi presa no último domingo (13) nos Estados Unidos.

Hashemi, nascida nos Estados Unidos, foi detida sem acusação na chegada ao Aeroporto Internacional de Saint Louis-Lambert, na cidade de Saint Louis (Estado do Missouri). A jornalista, que viveu vários anos no Irã e se converteu ao islamismo, viajou para os Estados Unidos para visitar seu irmão doente e outros parentes.

No comunicado, a União de Rádios e TVs Islâmicas denunciou a prisão da jornalista, destacando que isto "viola a liberdade de imprensa" e culpou as autoridades dos EUA pelas conseqüências desse comportamento "discriminatório".

O sindicato exigiu que os EUA liberassem imediatamente a jornalista e que respeitem seus direitos humanos e profissionais.

O sindicato pediu que os meios de comunicação e organizações internacionais expressem sua solidariedade com a jornalista.

O ministro iraniano do Exterior, Mohammad Javad Zarif, disse que foi um "jogo político inaceitável" a prisão da jornalista e ressaltou que a medida viola a liberdade de expressão.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247